Sobre a Minha Mãe (Nas palavras do Meu Irmão)

 

Esse foi o Depoimento que Meu Irmão, Eduardo, deixou no perfil da nossa mãe. Aos que ainda tem audácia, o despeito, de abrir a boca para falar de Lucia Helena Stone, da mãe dos meus irmãos e minha mãe, aqui está, nas palavras do meu irmão:

Dudu Queiroga .

A culpa é dela de me colocar no mundo (vou logo dizendo!).

Mas foi ela que me ensionou boa parte de tudo que me transformei hoje.
Cultura, Modo de agir, respeito pelos amigos e a nunca desistir do que quero.

Foi com ela que tive minhas maiores brigas, mas também com ela tive os maiores momentos de diversão.
Foi com ela que chorei ao dizer que ia ser pai, foi com ela que fiquei quando me operei, foi com ela que viajei e aprendi muito do que sei hoje .

Somos tão iguais que nos nossos encontros sempre sái atrito, mas logo depois tudo é resolvido do nosso jeitinho de pedir desculpa.

Sinto falta de seus beijos, seus carinhos, e até de seus gritos.
Sinto falta de sua companhia, de ouvir suas histórias, ou apenas de acordar e vê-la em casa reclamando em inglês de alguma coisa.

sei que hoje tem um oceano de distancia, mas um dia Deus vai recompensar tudo isso e poderemos brigar, fazer as pazes e dizer EU TE AMO novamente.
se cuida Dona Lúcia.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Dudu - Justiça

Red Robin – Meeting Batwoman

RED ROBIN – Meeting Batwoman

by Vinnie Warlock

September 2010

Description: Red Robin rescues a fellow superhero.

Characters: – Tim Drake Wayne (Red Robin), Tam Fox, Kate Kane (Batwoman)./ Jake Kane, Lucius Fox (Cameos)

Timeline: Past Red Robin“The Hit List”, before Batwoman #1

Disclaimer: DC Comics own all the characters.

RRBar[Gotham City – Somewhere in the rooftops of the Garment district]

 

Timothy Drake Wayne liked the month of September in Gotham City. The steamy humidity of the summer was completely gone, and the temperature wasn’t so high, and didn’t get much cold. It was just perfect for his nocturnal crime-fighting routine. He was fully adapted to his identity as Red Robin, and after having taken down the corrupt cops that were trying to ignite a new gang war in Chinatown, he became fairly known in the city. Of course, the Gazette’s front page of him taking down Lynx and Scarab also helped the public to recognize the city’s newest caped crusader.

At Least Dr. Mid-Nite didn’t kick my ass‘ he thought, remembering his videocall with the JSA earlier that day. He was slightly apprehensive that the superhero physician would take offense on his suit being very similar to his, but the Doc took it very well, even cracking up a joke about Red Robin’s good taste in clothes…

Overall, things were looking up to him lately… first, he had saved Bruce’s legacy from Ra’s Al Ghul, second, Dick and the rest of the League finally deducted that Bruce was still alive and lost in time. Of course, if they had listened to him in the first place, they would not need almost an year to find that out…. and third, and most important, he had Tam. Lucius’ daughter was the best thing to come out of this whole ordeal. She was the light that brought him back to Batman’s way, when he had gone against everything that Bruce had taught him in his unholy alliance with the League of Assassins.

His thoughts of his Ebony Beauty were interrupted by the distinct sound of sub-machine gun shots, captured by the experimental audio capture network that Batman had secretly built in the city during the reconstruction, one of the many projects that just a handful of people, not including the current Dark Knight, knew about it. Of course, Tim would change that, as soon as he had his fail-safe protocols built-in. The network was a huge privacy violation, and Dick might want to shut down the whole thing instead of using it. Tim however, had no problem using the tools at his disposal in order to succeed in his crusade against crime… then perhaps, he should keep this little secret from Dick and the hobbit… Checking on his gauntlet computer, he pinpointed the origin of the disruption, and turning off the link to his HUD lenses, he checked the wind on the built in sensor, the readings in his lenses. (he had the featured added after his embarrassing landing in Chinatown, which he still blames Damian for…)

  • – “Ok, Lets give this another try…” – Red Robin said to himself, as he jumped off the building.

He grabbed his cape, letting the electric charge run trough the material, making it rigid to form a glider, as he stopped descending and flew up, propelled by his momentum and the wind. Batman had been the one who talked him into using the cape as a glider, and Red Robin was glad he did it, because it was so much faster to cross the city flying. As he passed the buildings heading into the Narrows, the Crimson Knight saw flashes on a warehouse that should be dark at that time. He zoomed in with his lenses and changed to thermal vision. He immediately identified a dozen individuals inside the building, one of them obviously fighting the others.

The individual that was fighting the others wasn’t a ordinary person, as Red Robin noticed the way she moved. He took a moment to send an alert signal to Gotham PD, and using his grappling gun, he jumped from roof to roof. Trough the roof windows, Red Robin saw Batwoman seeking cover behind some crates as a bunch of henchmen with Uzis and AK-47s shot at her. She was fast and knew how to use her surroundings, and moving quickly, she used her stun gun to take two of the thugs, before one of them pulled a Stinger…

  • – “Oh, Shit!!!” – Red Robin exclaimed, as the guy launched a missile against the bat-heroine.

Immediately springing into action as the missile exploded. He jumped trough the glass, trowing smoke grenades. The thugs were caught by surprise and were blinded by the dark smoke. They all fell prey to the Crusader, as Red Robin took them down hard and fast. He looked towards the explosion site with his special lenses, and caught sight of his fellow hero’s hand out of a pile of debris. Deciding that he didn’t have any time to loose, he used his new web-nets; he grabbed the disks from his arsenal and threw one against each fallen criminal. The disk, once activated sprung several lines that in contact with the body, enveloped it and released a foam that expanded quickly and became hard as concrete in seconds, trapping their victims for a couple of hours, more than enough time for Gotham’s Finests to arrest them.

Red Robin then rushed to Batwoman. He moved out the debris on top of her, and saw the redhead super-heroin unconscious. The Knight checked her pulse, and made sure that she was alive. She was bleeding, and needed medical attention. Knowing where he was and what his resources where, he used his comm and called the one person he could count on at that time..

  • == Hello? == – Her soothing voice answered.

  • – “Tam, I need you to do something for me” – Tim said…

RRBar

[Half an hour later, on Tim Wayne’s Port Adams Penthouse]

Everything in the mind of Tamara Fox dictated that she should be surprised. But she knew better, so, when Red Robin showed up with an injured and unconscious Batwoman in a borrowed van in the garage, she simply came out the lift with the stretcher, and watched as the Crimson Knight put the redhead super-heroine on it, wheeling her into his apartment. Tim Wayne’s Penthouse in the historic Port Adams district was a old sweat shop building turned into a luxury condo, where he was the sole tenant, and his fiancé, of course….

Since Timothy pulled his ruse on Vicki Vale, and had to keep the crutches act for an year, she had moved in with him, to keep the appearances of him not being able to living alone. Naturally, there were benefits into moving with her “fiancé”, one of them being that she didn’t have to make excuses to her sister or to her father so that she could spend the nights with her hero. And the location was perfect, as Tim could access the freeway in a minute and was just a few blocks from the skyscrapers from the Garment District, and also not too far from the rehabilitation clinic that he had to attend to keep up pretenses for the next 12 months.

Timothy wheeled the Batwoman on his sickbay, and the computer started running a full scan of her body. After being on the brink of death more times than he would like to count on the past year, Wayne had learned to appreciate the value of a state-of-the-art medical room, and he made sure to have the most advanced medical technology in his Red Bunker (as Tam had dubbed his new base of operations).

  • – “How is she?” – Tam asked, looking at the dried blood on Batwoman’s abdomen.

  • – “She will survive.” – he said, as he removed the damaged pieces of Batwoman’s armor. – “Tam, hand me that scalpel there.”

Tamara did as she was asked, and she watched as Red Robin cut the opening in the armor, enough to leave the injury fully visible. She observed as he applied some sort of spray, and then prepared a syringe with some sort of anesthetic to inject her. Batwoman grunted as the needle perforated her skin, and Tam gentle touched her hair, trying to pass some level of comfort to the super-heroine. She immediately noticed that that wasn’t natural hair, as she removed the wig…

  • – “It’s a wig.” Tam said.

  • – “What?” – Tim asked, as he kept treating the wounded heroine.

  • – “A wig, she uses a wig…” – Tam said, holding the object in her hand. – “I don’t understand why, she really has red hair.”

Timothy looked at the Ebony Beauty, and said:

  • – “A subterfuge, probably…” – Tim said, as he kept working.

Tam looked at the heroine, her face not giving any hints as if she was conscious or not. She wiped of some of the sweat on Batwoman’s face and the dirty from her mask, and once again, the super-heroine grunted as Tim started to take of the splinters from her wounds. As Batwoman turned her face, Tam noticed the device semi-detached from her mask, that looked like a hands-free radio, that appeared to be turned on. She detached the device from the mask, and put to her ear, trying to see if it was broadcasting.

  • – “Hum, Tim, her comm is active.” – She said.

  • – “Let me see that.” – He asked, picking up the device from her hand, and inspecting it.

He played with it for a moment, and put to his ear, hearing a male voice repeat:

  • -== …tzzz you listening? Come in, soldier tzzz ==- the comm transmitted.

  • – “Batwoman is unconscious at the moment.” – Tim said, in his Red Robin voice.

He got silence on the radio for a moment, and believing that whoever was on the other side would not answer unless he identified himself, he spoke:

  • – “This is Red Robin. I spotted Batwoman in a fight against armed men” – Tim said. – “She got injured and I extracted her from the combat zone.”

After a few seconds of silence, the man on the comm replied:

  • -== How serious are her injuries? ==- The man asked.

  • – “She had explosions fragments on her abdomen and was pierced by a larger piece of wood that I removed at the site. She lost blood, and I’m testing her to determine her blood type.”

  • – == She’s O Negative. ==- the man replied. – == Where is she now? ==-

  • – “I brought her to my base. I have a fully equipped sickbay, Mister…” – Tim said, giving in the chance for the man to identify himself.

Again, silence on the other side. But this time, Batwoman murmured something…Tam, that was closer, listened in, and reported:

  • – “Tim, she called him Colonel, and I think he’s her dad.” – Tam said…

He nodded, glancing momentarily at the red-haired crime-fighter, and said on the radio:

  • – “Colonel, Sir… Your daughter will be ok, I’ll pass it to my assistant now, because I have to sew up these wounds.” – Tim said, passing the radio to Tam, as he kept treating Batwoman’s wound. – “Tam, set up a meeting on his residence. I’m picking him up as soon as I have her stabilized.”

Tamara just nodded and went on to talk to the Colonel as Timothy kept treating the red-haired heroine…

RRBar

[Hours later]

The first thing Kate Kane noticed as she woke up was the daylight. She still felt kind of numb and weak, but she could discern the pastel colors on the wall, the paintings with nautical motives and the modern, Swedish design of the furniture. She could see the bay from the big tinted windows, and she could see Metropolis skyline on the other side of the bay. She looked at herself, and noticed that she wasn’t wearing her batsuit. She tried to get up, just to feel the pain on her abdomen, what discouraged her from doing it so.

Kate looked under the sheets and unbuttoned the shirt she was wearing (a man’s shirt, she noticed), and saw the bandages covering her midsection. She also noticed that she was wearing panties that were not hers, and she looked around, trying to figure it out just what the heck was happening. The sound of the door knob being twisted caught her attention, as she looked pointedly at the door. The person who entered the room left her shocked.

  • – “Tim Wayne?” – Kane said, surprise, as he was one of the last people she expected to see…

  • – “Good morning, Miss Kane.” – Timothy replied, cheerfully, with a tray in his hands. – “How are you feeling?”

  • – “A bit numb… where am I?” – Kate asked, keenly aware that he knew her name, watching as Wayne put the tray on the nightstand.

  • – “You’re in my house.” – he said, and grabbed the sheet, uncovering her body

Kate gave him a hard stare, and he said, unfazed:

  • – “I’m only checking your bandages, Miss Kane.” – Timothy said, and with a smirk, he added- “Don’t worry, I’m not going to take advantage of you. My fiancé even provided the undergarment to make sure that I don’t get tempted.”

The redhead woman gave Tim a dirty stare, and he said:

  • – “Just joking. Colonel Kane would rip my head off, if you didn’t do it first, of course.” – Tim said, as he examined the bandages, taking it off to take a look at the sutures. – “But my fiancé did provide the panties. Well, it looks good… the sutures, I mean.”

  • – “What happened?” – Kate asked

  • – “One of the thugs pulled a rocket launcher on you.” – Tim said, covering her back, moving to the tray. – “Good thing I was around the area. Would you like some tea?”

  • – “You were in the area…” – She repeated, suspicious.

  • – “Well, not dressed like this, of course…” – Tim replied, pouring some tea on the cup – “You’re not the only one with a fetish for black leather and jumping rooftops.”

He offered her the cup, and Timothy placed the tray on the bed. As she kept looking at him, obviously waiting for more information, he said:

  • – “In the battlefield, you know me as Red Robin.” – Tim informed, as he kept offering her the cup.

  • – “You’re Red Robin?” – Kate asked, skeptic.

  • – “Hard to believe that the Bachelor Heir of the Wayne family would have a double life as a superhero, huh?” – Tim said, sarcastically – “It’s so surreal, kind of thinking that the step-daughter to Gotham’s most prominent socialite alternative lifestyle deepest secret would not involve wild parties and other women, but bulletproof leather and jumping from rooftops…”

  • – “Point taken…” – Kate replied, as she accepted the cup.

Timothy smiled with satisfaction, he moved the tray over his guest lap in the bed. He pointed to the cellphone on the tray, and said

  • – “By the way, your father said that he’s coming back from Savannah already.” – He informed – “He knows you’re alive and well, and he will call here as soon as he lands. Me made me promise that I would have you call him as soon as you woke up”

  • – “Thank you.” – Kate said. – “The Colonel can be a bit overzealous from time to time. Specially since I kind of died before…”

  • – “In our line of work, there is nothing wrong with a little overzealousiness from time to time.” – Tim replied – “And about the Lazarus Pit, lets just say that you’re far from being the first one in Gotham to take a dive in one of those, but I can sympathize…”

The door opened at that moment, and Kate saw a young black woman come in, that seemed familiar to her. Tamara looked at the red-haired super-heroine, and she said:

  • – “Oh, you’re awake. I’m glad.” – Tam said, and looking at Tim, she said, handing him the leg braces. – “Tim, quick, My dad is coming by to check on you!”

  • – “Oh, boy…” – Tim said, his smile giving away to a expression of nuisance… – “Your dad seriously think that a guy that just got shot and can barely walk can be ravishing his daughter virginal body?”

  • – “Considering that he probably thinks that I’m still a virgin, yes…” – Tam replied, hugging from behind – “Tiffany probably thinks that you’re the one in danger of being ravished by me.”

  • – “Now, that’s closer to the truth…” – Timothy replied, smugly, earning a mock punch on the arm by his Ebony Beauty

Kate observed with some amusement the exchange between the two young adults. Then, she remembered that Tim Wayne had suffered an attempt on his life not about a week and a half ago, and he was supposedly on rehabilitation for the next several months. She looked as Timothy sat and started to strap in the braces, and said:

  • – “Some miraculous recovery that was, Mr. Wayne…” – The redhead woman said, with sarcasm – “Getting shot and almost dying in front of God and everyone else, and saving fellow superheroes from certain death one week later. The most impressive part was that Red Robin apprehended the assassin himself… ”

  • – “A necessary ruse, since our first one didn’t quite work.” – Tam replied, as she looked in to her PDA – “Quick, Tim, his car is two blocks away.”

  • – “And a serious one too… I’ve read that the doctors believe that you’re going to stay on those for a year, maybe too..” – Kate said. – “Whomever was onto you must have been pretty close to finding out about your leather fetish…”

  • – “Lets just say that noisy reporters are not a exclusivity of the shining towers across the bay” – Tim said, giving a quick glance to Metropolis from his windows – “I’m just glad that I’m not dealing with Lois Lane…”

  • – “If she lived here, I would move to Chicago…” – Kate replied, chuckling.

  • – “Time’s up, Tim!” – Tam, replied, as she turned off her PDA and held the door for him.

Timothy walked, already in the act, as if he really needed the crutches to move around, and approaching the door, he got closer to Tamara, in a intimate way, Kate noted:

  • – “Why don’t you help Kate to dress up?” – Tim suggested, with a gentle tone – “I will keep your father busy.”

  • – “Okay… be careful.” – she said, getting closer to touch his face with her and and give him a gentle kiss on the lips.

Kate observed with a certain degree of amusement as the couple exchanged another peck before Wayne left the room, and she was left alone with the girl… Kane noticed that the girl felt a bit awkward (and looked particularly cute like that), and offered her hand:

  • – “Kate Kane, nice to meet you.” – She said.

  • – “Tamara Fox, but everyone call’s me Tam. Nice to meet you too.” – Tam replied.

  • – “So, Tam, are you in the Rooftop Jumping Leather Club too?” – Kate asked as she tried to stand up.

  • – “Not exactly.” – Tam replied, as she helped the redhead to stand up – “I’m in the Targeted by Freak-Assassins and Black Ninjas Club.”

If Timothy were in the room he would probably have laughed at the shocked expression that the super-heroine made.

RRBar

[By Sundown]

Kate Kane was seating in one of the chairs on the terrace, overlooking the lights on the cruisers that were anchored at the bay, and the lights of Metropolis, that looked cheerfully shiny even as the night started. She had her laptop with her, as her dad, the Colonel, had brought her once the sense of urgency to see his wounded daughter dialed down after she spoke with him on the phone, and she convinced him to go by her apartment first and get some clothes and some equipment. Much to her annoyance, the Colonel had extracted from her hosts a promise not to let her go out on duty until she had a clean bill of health.

What Colonel Kane didn’t know was that the Young Mr. Wayne had close contact with the most prominent super-hero physician in the world, Dr. Mid-Nite, that examined her via computer, and passed on to his costume buddy Red Robin a most miraculous treatment guideline, including some nanotechnology that the good doctor had insisted that the Crimson Knight included in his sickbay (which design had the counseling of Mid-Nite himself), and that was working wonders in her injuries. She would probably be back in action in 24 hours or so.

In the meantime, Kate was doing her intelligence report on the Criminals she fought on the Narrows, with some very much appreciated help from the Oracle herself, who apparently had a very close relation with the Young Mister Wayne. Kate knew the Bat-clan enough to know that the first Robin and former Nightwing was the Batman now (he had hit on her twice, and still hadn’t got the clue), that there was a second Robin that was thought dead and now was a murderous vigilante, and that the new Boy Wonder was a kid, leaving Robin III as the logical explanation for Red Robin.

Timothy Wayne, former Robin… Kate knew the implications, she had a pretty good idea of who the new Batman was, she knew that the first Batman was dead for a fact, and given that his host was the controlling shareholder of Wayne Enterprises, adding the fact that the people that knew Bruce Wayne noticed that he seemed more than a bit off, she had a pretty good hunch about who the original Batman was and some very colorful theories as to who was the man passing as Bruce Wayne, and none of those theories were good…

Another thing that Kate didn’t know what to make of was the relationship between her two young hosts. She thought at first that Waynegagement was a publicity stunt, and after learning about Wayne’s double life she theorized that this must have been the first ruse to take the reporter, Vicky Vale, off his trail (and as Tam said herself, didn’t work, hence the crutches and braces). But now, after spending half a day in their company, and noticing the way they look at each other and the way they behaved around each other, she believed that there was something more to it… Her thoughts were interrupted as she noticed the approaching footsteps. She noticed trough the glass reflex Tim Wayne, without the crutches, braces and without his fiancé, come up the stairs.

  • – “Where is the fair miss Fox?” – She asked, with a hint of malice.

  • – “Tam left on some errands of her own…” – He replied – “Probably she went to do a follow up with her sister after her dad’s visit. She want’s to make sure that he doesn’t get the wrong idea about her living here with me.”

  • – “I don’t know, but it looked to me like she wants the wrong idea to happen…” – the Redhead replied – “And by the way you act around her, I don’t think you would mind it either.”

  • – “That obvious, huh?” – Wayne asked.

She nodded her head, with a sympathetic look on her face.

  • – “So… you’re out of the act for the rest of the day?” – Kate asked looking pointedly at his legs.

  • – “Yep… And not a moment too soon.” – Timothy replied. He noticed the screen on her laptop and said – “Doing some homework, I see.”

  • – “The Colonel was pretty mad that I was caught so easily last night.” – the redhead replied – “It was pretty stupid not to inspect their cargo before trying to take them down.”

  • – “Don’t feel so bad about it. God knows I had my share of stupidity.” – Tim said, as he sat besides her on the sofa.

He pointed at her belly, and Kate moved the computer away, unbuttoning her shirt, revealing her bandages. Timothy lifted the bandages with utmost care, and inspected the wound, putting the bandage back in place after that. Kate looked with mild amusement at that man that was many years younger than her, but that had such a mature aura that she knew only tragedy could bring to a person.

  • – “So, doctor, will I be allowed in a sunbathing bikini anytime soon?” – Kane asked, with a bit of teasing.

  • – “Definitively yes. The sutures are all healed, and whatever little scar remains should be gone within 72 hours.” – He replied, a bit flustered, but trying to remain a gentleman – “That will be a battle scar you wont get to keep it.”

  • – “I already have too many of those.” – She replied, and kept teasing, just because she was having fun with the way he got flustered – “I’d rather save space for some love scratches for a change. You know how us girls love to run our long manicured nails on flesh.”

Timothy felt his collar a bit too tight, as he ran a finger to loose it up, and he felt the redness on his cheeks. He was capable of taking down a international criminal organization and a gang of super-assassins by himself, but being teased by a older, and beautiful woman was enough to make him red, even thought he was knew that said woman had a taste for the fair sex… At that moment, something flickered on Timothy’s mind:

  • – “Yeah… changing the topic a bit.. is it true that Batman made a pass on you after you both brought down that zombie?” – Tim asked…

  • – “You mean the new Batman? Yes, its true… that was the second time, but I don’t think he realized that.” – Kate said – “The first one was when he was still Nightwing, and as matter of fact, he wasn’t even wearing a mask…”

  • – “You mean…” – Tim asked, not very surprised that Batwoman knew the Dick’s identity, after all…

  • – “Mr. Richard ‘Dick’ Grayson made a pass on me in Bludhaven, years ago…” – Kate replied – “I cant blame him for doing again, after all, he didn’t know who he was talking to, and he did confess he was a thing for redheads… what explain he’s being around the Commissioner’s daughter a lot.”

Kate watched amused as Tim brought palmed his face, nodding his head in negative…

  • – “Dick, Dick, Dick… He never learns…” – Tim said, looking at his guest with a amused face.

Kate’s face became serious again, as she anticipated the real hard question…

  • – “Tim, I know that the first Batman is dead, and I’m pretty sure now that I know who he was.” – she started – “So, I do have to ask… Who exactly is that guy parading around town as Bruce Wayne?”

Timothy became serious again. He rose from the couch and looked at the pier. Katherine rose from the chair, and stepped besides him, as she felt that that was something big that he was considering if he trusted her enough to let her in or not. After a moment of silence, she heard his voice:

  • – “His name is Thomas Elliot, but you must have heard of him as Hush.” – Tim said.

  • – “I’ve heard the name, yes, and I was advised that he’s a very dangerous individual.” – Kate replied.

  • – “And you have been advised right. Hush is one of the deadliest foes of Batman.” – He said. – “He killed many people, hurt many, many others, he knows who both Batmans are, who all the Robins are, who I am, and probably a few others.”

  • – “But, why did you let him roam free like that if he’s so dangerous.” – She asked.

  • – “Bad timing. After Batman disappeared, and we were too busy saving the city from the criminals, he took the place of Bruce and kept him alive in the spotlight.” – Tim said – “We couldn’t take him out, and we couldn’t replace him, so we keep him under surveillance and in a tight leash.”

  • – “That’s a bad plan.” – Kate replied.

  • – “A temporary one… Bruce’s return will neutralize Hush.” – Wayne replied.

Kate looked at him surprised, and said:

  • – “What do you mean by Bruce’s return?” – She asked – “He’s dead, isn’t?”

  • – “You haven’t been in the JLA briefing recently, have you?” – He asked, and as she looked confused, he explained – “Batman is not dead. He’s lost in time. Darkseid didn’t kill him, he threw him out of his time, and now he’s coming back, unless we stop him.”

  • – “Stop him?” – Kate repeated.

  • – “Long story.” – Tim said, turning around – “I’ll tell you while I fix some dinner for us. Tam will probably eat with her father, so we have the frozen food trays, I hope you don’t mind…”

  • – “My friend, after you live on dried rations and barracks grub, you eat anything…” – Kate replied. – “I don’t care what we’re eating, as long as I don’t have to peel off potatoes..”

  • – “Don’t worry, the french fries are frozen too..” – Tim replied, cheerfully.

  • – “Oh, God… Frat Food… I hope I fit into my suit after that…” – She joked

  • – “Don’t worry, I’m pretty sure that a few runs on the rooftops will burn those calories..” – Timothy replied.

Tim smiled amused, as he led his guest down the stairs…

THE END

RRBar

Deixe um comentário

Arquivado em Fan Fic En, Red Robin

União Familiar – Estilo dos Queiroga

Saudacões à todos vocês, que andaram ao lado do Meu Irmão, riram com ele, cantaram com ele, torceram com ele, choraram por ele, sentem a falta dele e agora se revoltam com tudo o que está acontecendo.

Basta apenas que eu me distraia para que os outros pensem que eu desisti…

Vamos por partes… O texto a seguir foi postado no Scrapbook da minha mãe no dia 29 de Novembro, por Brisa, amiga do meu irmão, Eduardo:

Oi Dona Helena, espero que estejas bem…. não tenho dado notícias, estou próxima do final do período na universidade e procurando trabalho, então tenho estado numa correria só..
Estou te escrevendo agora para falar sobre algo chato que aconteceu agora de manhã com a minha mãe. Como eu havia dito a senhora, minha mãe e eu conhecemos Estela, tia de Dudu, ha muitos anos. E hoje minha mãe encontrou com ela no supermercado, e como não conseguimos falar com o senhor José Wilson pra resgatar meu violão que ficou na casa de Dudu, ela resolveu perguntar a Estela…  De uma maneira que eu considerei muito grosseira, a tia de meu brother pediu que minha mãe levasse a nota fiscal do violão e disse que ela fossemos procurar nossos direitos… falou também que só tinha o violão de Dudu na casa e que o playstation dele não estava lá, me desculpa a sinceridade Dona Lucia, mas isso é uma mentira muito feia… na sexta feira, Erika passou o dia com Dudu, viu meu violão no quarto dele, e se não me engano, Elainy também comentou comigo que tinha visto ele lá… enfim… eu sei que a senhora sabe que eu não quero, nem muito menos preciso inventar nada, eu tenho saúde, disposição e graças a Deus, tenho condições de comprar outro violão se eu quiser … não quero mais aquele violão, nem nada que possa me remeter àquelas pessoas que só fazem macular as memórias e lembranças daquele que foi a melhor pessoa que eu conheci… o que me consola, e diminui o constrangimento que eu senti por minha mãe é saber que a lembrança mais importante que eu poderia ter do meu brother, vai ficar guardada no meu coração, o amor e carinho que ele sentiu por mim de graça, e que sempre foi recíproco…
Hoje eu entendo o sentimento que Vinnie sente pelo pai, e o que Dudu sentia… entendo porque no aniversário do pai, ele me ligou e disse que preferia ficar comigo… consigo imaginar o que ele passou pra me ligar dizendo aquilo…
Mas agora ele tá bem e é isso que eu quero, e é isso que importa… as coisas materiais, pelas quais estão fazendo tanta questão… elas vão ficar aqui…. porém os atos… esses não ficarão impunes… nosso Deus é de justiça e misericórdia… e eu só posso lamentar por quem não consegue entender isso….
Fique com Deus… beijos”

Ok… vamos recapitular aqui… uma das amigas de Eduardo, que frequentava a casa dele, que convivia com ele, cuja mãe e ela própria conheciam Maria Estela (a.k.a. Tetela, irmã do Sr. José Wilson, e por conseguinte minha tia). A mãe de Brisa perguntou a Sra. Mª Estela sobre o violão de Brisa, que estava na casa do meu irmão (e que permanece fechada e inacessível para qualquer pessoa fora do círculo de confiança da Honrada e Unida Família Queiroga). Um pedido descabido? Longe disso, ao que o violão pertence à moça, e ela só queria de volta o que pertencia à ela.

Mas, obviamente, este não foi o caso. Tetela Queiroga, numa demonstração de descontrole, grosseria e prepotência, exigiu a nota fiscal do violão, e disse à mãe da moça que elas fossem procurar os direitos dela (na justiça, obviamente).

Muito bem, agora, permita-me voltar no tempo, ao dia 29 de Outubro deste ano, às 8:50 da manhã, horário de Washington D.C. data e horário da conversa telefônica que eu tive com a minha Tia, e que foi, no mínimo, esquentada. Dos 19 minutos em que a ligação durou, o clima “familiar” durou por pelo menos 10 minutos, eu havia ligado para parabenizar o filho mais velho dela, Rodrigo, que estava fazendo aniversário naquele dia, e tudo estava bem, até que ela tocou no assunto do meu irmão.

Nesta data, eu já havia desistido de tentar qualquer solução amigável com o Sr. José Wilson em relação aos pertences do meu irmão, que são por lei, patrimônio do meu sobrinho, Lucas, filho legítimo e assumido do meu irmão, e único herdeiro dele. Para isso, eu já tinha tomado providências, empregando ajuda de um profissional da área jurídica.

Minha Tia tentou, pela enésima vez, colocar as coisas em panos quentes, tentando negar a existência do Playstation 3 do meu irmão (e por tabela, o desaparecimento do mesmo, que estabelece um furto), falando da intenção de comprar outro console para dar para meu sobrinho, e negando a existência de itens pessoais da minha mãe e da minha vó entre as coisas do meu irmão que foram achadas na casa dele (o que vai de contrário à duzias de testemunhos em contrários já coletados entre os amigos que frequentavam a casa do meu irmão).

Eu, numa tentativa de encerrar o assunto alí mesmo (por que eu não tinha interesse nenhum de ficar discutindo com ela), informei a ela que eu não estava mais preocupado com este assunto, por que a assistência jurídia a qual eu estava contratando iria cuidar do assunto. Dai, tudo mudou.

Eu posso facilmente dizer que até este momento, eu estava falando com Maria Estela Queiroga, minha Tia, minha madrinha, e alguém que eu considerava uma pessoa justa e equilibrada. A Tetela Queiroga que passou os passei os nove minutos seguintes gritando, esperneando e usando palavras de baixo calão dificilmente seria considerada justa e equilibrada. Traçando um paralelo com eventos recentes, eu diria que o que houve foi o equivalente de que, se durante um dos debates para o segundo turno para Governador da Paraíba, Maranhão tivesse perdido as estribeiras, e ignorasse as regras do debate, gritando e apontando o dedo para Coutinho, enquanto que este permaneceu impassível, esperando o piti do seu opositor acabar, defendendo-se quando necessário, mas apenas isso.

O comportamento da minha tia foi completamente destoante do normal, e por isso mesmo, suspeito. Até aquele momento, eu achei que ela era uma das pessoas que estavam interessadas em fazer valer os direitos do meu sobrinho, e que ela havia sido contrária à decisão do Sr. José Wilson de permitir o acesso da minha mãe à residência do meu irmão. Ela disse repetidas vezes que eu estava fazendo uma besteira em colocar um advogado no meio (na verdade, o termo que ela usou foi muito mais chulo do que isso, mas em respeito aos leitores, eu não irei reproduzir palavra-por-palavra o que foi dito), acusou minha mãe de ter abandonado meu irmão (outra invenção inverdade fantasiosa que a Honrada e Unida Família Queiroga tenta divulgar como fato), ponto no qual eu defendi minha mãe, e provando mais uma vez naquela ligação que ela é de fato irmã do Sr. José Wilson, ela desligou o telefone na minha cara (de forma infinitamente mais gentil que o Canalha-Mór, mas não deixando de ser uma grosseria.)

E este, foi o último contato que eu tive com qualquer membro da família, até esta manhã. Eu liguei para minha Vó, para dar mandar um beijo para ela e desejar a ela um feliz natal, e um feliz ano novo, perfeitamente ciente de que essa pode ter bem sido a última vez que eu falei com ela. Eu não vou voltar atrás, eu não vou recuar nem vou exercitar moderação. Meu sobrinho é o que resta do meu irmão nesta terra, ele é o legado dele, e eu vou continuar, até que os direitos dele sejam respeitados, custe o que custar.

Agora, voltando ao tópico da minha tia: Creio eu que esta seja a verdadeira face dela, e que por toda a minha vida, aquela que e eu pensava que era minha madrinha era na verdade uma pessoa completamente diferente? Não, por que eu sei que ela foi uma das que mais brigou com o Sr. José Wilson em relação ao meu sobrinho, e ela foi, juntamente com minha Vó, uma das pessoas a aconselhar minha mãe à buscar os direitos dos dois filhos pequenos dela diante de um ex-marido, omisso, irresponsável e cuja namorada abertamente tinha comportamentos completamente opostos em relação à mim e à meu irmão, sendo gentil e toda cheia de sorrisos na presença da presa (i.e. Sr. José Wilson), e sendo uma megera quando o mesmo virava a cara (e aqui está o resto da explicação para o nome “nome oficial” pelo qual os amigos mais antigos e também os amigos mais chegados tem se referido à mesma pelos últimos 20 anos, Mocra, que é uma contração carinhosa de “mocréia”).

Então, por que esta mudança drástica de comportamento da minha tia? Bem, eu não leio mentes, mas eu imagino que o estresse de ser colocada na posição indesejável de defender e justificar a indefensável e injustificável canalhisse do irmão dela tem muito à ver com isso. Especialmente, por que ela não tem de defender o Sr. José Wilson da ex-esposa dele, ela tem de defendê-lo do sobrinho dela, filho do indivíduo em questão, e que ela sabe que (ainda que não vá dizer isso publicamente) tem direito moral e legal de ver os direitos do Filho de Eduardo respeitados.

Bem, Tia, o que eu vou escrever agora é dirigido à Senhora:

Eu sinto muito que a Senhora tenha sido forçada pelas circunstâncias à ter de defender seu irmão, a quem a Senhora criticou diversas vezes por ter sido ausente e deixar a Mocra fazer o que ela queria com os seus dois sobrinhos, e também a quem à Senhora, do jeito que pôde, confrontou para tentar fazê-lo mudar de idéia e conhecer e aceitar o neto dele. Eu realmente sinto muito, a Senhora não deveria ter sido colocada nessa posição, e eu tentei evitar ao máximo trazer a senhora no meio dessa briga. Eu entendo sua posição perfeitamente, e eu sei que a Senhor foi verdadeiramente sincera quando disse no telefone que me amava, antes de desligar às pressas. E eu lhe digo o mesmo: a Senhora é minha madrinha e eu também lhe amo muito, e isso é algo que nunca vai mudar.

Eu entendo, mas não quer dizer que eu aceito. A Senhora está tentando defender o indefensável. A Senhora tentou justificar o injustificável. e agora, a Senhora, emulando o canalha do seu irmão, destratou uma mulher a quem a senhora conhece há anos, somente por que ela, que como o resto de todas as pessoas que conheciam Eduardo, não conseguem enxergar uma razão plausível para o espetáculo deplorável que o Covarde de quem eu tenho nojo de ser filho está apresentando, primeiro com a recusa abritrária de impedir a mãe do meu irmão de visitar a casa onde ele morava, depois com a completa falta de interesse em sequer buscar as autoridades para saber o que estava se passando no processo penal contra o marginal que matou o próprio filho, e finalmente, sendo grosseiro, gritando e desligando o telefone na cara dos amigos de Eduardo, da namorada dele, e do irmão dele, este que vos escreve.

A Senhora, Tia, agora é cúmplice do Canalha do Sr. José Wilson, e a Senhora está acobertando ativamente o crime dele. Sim, crime, por que perante à lei, Meu irmão, Eduardo Sá Barreto de Queiroga tem um filho, Lucas, que é o único herdeiro dele, e impedir que ele tenha acesso ao que é dele por direito é crime.

E ainda que a Senhora tenha dito que meu irmão era um “Pobre de Espírito” e era uma pessoa de Paz, a Senhora ignora o fato que Eduardo é um indivíduo extremamente talentoso, dedicado, e provavelmente a Senhora não saiba que ele estava preparando-se para lançar um CD de Músicas Cristãs.  E sim, meu Irmão é de paz, mas ele também é reto, e não se cala diante de inustiças, e lá, de junto ao Senhor e Salvador da vida dele e da minha, à quem ele entregou a vida assim como eu fiz, e a quem ele servia assim como eu sirvo, Ao lado do Pai, ele está vendo o que eu estou fazendo, e mais ainda, o que a Senhora está fazendo, e o que o Sr. José Wilson está fazendo.

Minha briga nunca foi pelo aspecto financeiro, até por que Sarita NUNCA precisou da ajuda de ninguém para criar o filho, e às próprias custas o mandava todos os anos para passar as férias com meu irmão. As coisas que eram do meu irmão, que pode parecer sem valor para você, mas que para Lucas, vão ser importantes para toda a vida. As letras que Eduardo escreveu, as músicas que ele gravou, as fotos que ele tirou, as coisas de Vovó Jujú e da nossa mãe que ele guardou e das quais NUNCA se desfez não tem valor monetário. Não há uma quantia alta o suficiente para pagar por estas coisas. Elas não tem preço. Elas são as coisas que meu irmão valorizava, guardava e se orgulhava de ter, são a arte que ele criou, aperfeiçoou e que expressou de forma única. E tudo isso pertençe a Lucas.

E se isso significar que nunca mais eu ouça sua voz, ganhe um beijo seu e um sorriso, este é um preço que eu estou disposto a pagar. O legado do meu irmão pertençe ao filho dele, e é o filho dele, e eu irei proteger esse legado, e eu não o farei sozinho, eu farei junto com as centenas de pessoas que surpreenderam à Senhora e aos outros que hoje são cúmplices como à Senhora, quando apareceram naquela casa funerária, e que tem aparecido a cada dia, mais e mais, como a mãe para a qual a Senhora mentiu e mandou buscar os direitos dela.

Eu me despeço, agradeçendo pelos anos de amor, e desejando um feliz natal e feliz ano novo.

Deixe um comentário

Arquivado em Dudu - Justiça

A quem interessar possa….

Hoje, eu soube que o assassino do meu irmão está livre. Ele foi reconhecidos pelos amigos de Eduardo lá no miramar.

O Ministério Público provou mais uma vez sua incompetência ao não dar uma sentença ao marginal dentro do prazo estabelecido pela lei, e sem sofrerem nenhum tipo de pressão por parte da Honrada e Unida Família Queiroga, que estavam ocupados demais enchendo a boca para dizer que minha mãe havia “abandonado” meu irmão, impedindo o acesso dela à casa onde ele morava, e agora, mentindo descaradamente sobre os pertences do meu irmão, mantendo-os ilegalmente do meu sobrinho, filho do meu irmão e único e legítimo herdeiro de tudo que era do meu irmão.

Meu pai, que teoricamente deveria ser um dos mais interessados em que a justiçafosse feita, foje de toda e qualquer responsabilidade nesse respeito, desligando telefone na cara dos outros, sendo grosseiro e covarde (a índole natural dele), se negando a se envolver em qualquer investigação policial e sem exercer nenhuma pressão junto ao MP, como se fosse ele o criminoso e ele estivesse em dívida com a lei.

Mas ele é culpado sim. culpado de muitas coisas: como pai, é culpado de omissão, de irresponsabilidade, de nunca, jamais, representar um modelo decente e desejável para os seus dois filhos mais velhos. Ele é culpado de ser conivente com os maus-tratos e hostilidade de uma mulher ciumenta e insegura que descontou em dois garotos quaisquer que fossem suas frustracões em relação ao casamento fracassado do homem com quem ela eventualmente veio a se casar e ter outros dois filhos.

Ele é culpado de sempre criticar, jamais encorajar, e nunca participar nas vidas de seus filhos. Meu irmão era um músico, um lutador de Jiu-Jitsu, professor na academia, e um Cristão, crente em Jesus Cristo, a quem ele entregou a vida, e por quem ele vivia, e foi um pai atencioso e carinhoso com meu sobrinho, Lucas.

Meu pai NUNCA foi vê-lo tocar, NUNCA foi vê-lo lutar, NUNCA o viu ensinar, fez pouco e foi grosseiro quando soube da escolha do meu irmão em se batizar, e NUNCA o tratou com dignidade e respeito, mesmo quando todos os outros o tratavam assim, e na prova-mór de canalhismo, Ele fez a sugestão de que a mãe de meu sobrinho abortasse a gravidêz, brigou com meu irmão quando ele foi à maternidade ver o filho, depois de tê-lo mantido afastado da mãe do filho dele durante toda a gestação na base do terror psicológico.

Mas meu irmão teve personalidade no final, e mesmo diante das humilhações e grosserias que ele sofreu perpetradas pelo próprio pai, ele se manteve firme, e foi um Pai carinhoso, participativo, e que é o melhor exemplo para um filho que um pai poderia dar. meu sobrinho Lucas é abençoado nisso, por que meu irmão em nada puxou o mau-caráter que ele teve como pai. Em 10 anos, meu irmão foi um melhor pai do que o pai dele foi em 30 anos da vida dele.

E obviamente, a “Família Querida” fica unida em torno deste exemplo deplorável de ser humano e e fracasso como pai, fazendo vista grossa para tudo de errado que ele fez, e como de costume, culpando minha mãe, achando que estas são as palavras dela, não as minhas, e que é a influência dela, fazendo minha cabeça.

Obviamente, eles acham que estão lidando com o rapaz magricela e inseguro que um dia, à 10 anos atrás, deixou para trás tudo que conhecia para começar uma nova vida. humpf… pobres coitados. Eles mal sabem que eu não tenho nenhuma reserva em utilizar quaisquer meios que forem necessários para conseguir o que eu quero, e não me importa quantos caos eu tenha de criar, e quantas ilusões de uma família perfeita eu tenha de destruir para conseguir o que eu quero.

Como não tomam nenhuma atitude, a não ser a de se absterem em tomar qualquer atitude, eu, do outro lado do hemisfério, tenho que fazer o que eles não fazem… ou melhor dizendo, o meu advogado tem de fazer, ao que eu não estou presente, incluindo fazer o possível para que o assasino do meu irmão volte para a cadeia e permaneça lá.

A Honrada Família Queiroga pode ser omissa, mas os amigos do meu irmão não são, e eles por sí próprios, fizeram mais nestes meses desde o assassinato do meu irmão do que qualquer Queiroga residente no território nacional, e por isso eles tem meu agradecimento eterno.

Eles são a família que meu irmão escolheu e prezou por eles, e por isso, são minha família também. Geco, Andre, Cego, Parreira, Tércio, Elaine, Eliza, Erika, e todo so outros que fizeram parte da vida do meu irmão, cantaqram com ele, riram com ele, choraram com ele, e choraram por ele.

E Sarita a mãe do meu sobrinho, uma pessoa íntegra, honrada, decente, independente, que é uma mãe maravilhosa e uma amiga fiel do meu irmão. Qualquer pessoa com o sobrenome Queiroga tem de dobrar a língua e pensar muito bem antes de sequer falar o nome dela, por que ela tem

mais dignidade na ponta do pé do que meu pai tem no corpo gordo e inchado dele.

E Lucas, grande Luke Skywalker, meu sobrinho, filho do meu irmão, de quem ele herdou a inteligência, o carisma o sorriso, e a coragem. Essa semana eu soube que ele foi na polícia lá em Brasilia, sozinho, para denunciar um menino mais velho que tava sendo um bully com ele. SOZINHO, com 10 anos de idade.

Meu Sobrinho, de 10 anos de idade, foi à polícia, sem medo.

Meu pai, com meio século, se borra de medo, desliga o telefone na cara dos outros, fecha a porta, grita e esperneia feito um pirralho de 5 anos de idade para não ir à polícia.

Eu guardo uma foto do meu pai, e toda vez que eu olho para ela, é para me lembrar de tudo aquilo que eu não quero ser, como homem, ser humano, marido e pai. E um dia, ele vai saber disso.

Um dia, ele não vai ter como se esconder, para onde correr, e ninguém para defender o indefensável. Um dia, não vai haver um telefone para desligar rudemente, uma porta para bater na cara, um grito auto o suficiente para assustar, e nenhuma grosseria o suficiente para intimidar. Um dia, ele vai ouvir, da boca do primogênito dele, todos os fracasso dele como pai, todos os atos deploráveis como ser humano, todos os momentos de covardia como homem, e a desonra como marido que ele é,

E então, ele pode continuar com a vida dele, mas desta vez, sem nenhuma ilusão sobre o que ele ou qualquer outra pessoa acha de quem ele é na verdade.

Atenciosamente

Vinnie Sá Barreto de Queiroga

 

Deixe um comentário

Arquivado em Dudu - Justiça

Red Robin – The Truth Within Lies (Part 2 of 2)

AND NOW, THE CONTINUATION…

[ At the dance floor table]

  • “Commissioner Gordon?” – Tam said, noticing the newcomer. – “Is he coming to have diner with his daughter? Isn’t that Alfred with him?”

Tim turned around, and saw Gordon, and Alfred besides him, as the former waved at someone on the upper floor. Wayne looked up and was rather surprised in seeing Lucius, on a table with Vicki Vale.

  • “No, apparently, they came to have diner with you father.” – Timothy said.
  • “My father?” – Tam repeated, turning her head immediately, noticing her father for the first time in the room – “Oh, God…”

Lucius noticed the young couple looking at him, and waved at them,a wake that Tam returned awkwardly. She saw Vale leave the table, then her dad get up from the chair, and immediately she turned, trying to sink in the chair..

  • “Oh, God, he’s coming down, isn’t he?” – Tam asked, half-knowing the answer already.
  • “Yes, he is..” – Tim informed, and glancing over his shoulder and to the window, he added – “And Alfred, Gordon, Babs e Dick are coming over too..”

Tim could only smile sympathetic as the night he had planned had already been blown to bits by all the unexpected guests… Alfred and Jim got to their table at the same time as Lucius, and Dick and Babs came just behind the CEO. Gordon was surprised to see his daughter, and Alfred was surprised to see Tim, and Lucius was surprised to see everyone but his two old friends.

  • “Barbara, what a surprise.” – Jim said, with a smile.
  • “Hi, dad.”- Babs replied, receiving a loving kiss on the cheek from her dad. – “Dick made me a surprise and invited for diner.”
  • “Good evening, Commissioner.” – Dick greeted the man – “Its good to see you again.”
  • “Good evening, Richard.” – Gordon replied, amicable, and looking at the two teens with her daughter, he added – “And Stephanie, and Damian”
  • “Hello, Commissioner Gordon.” – Stephanie greeted him
  • “Hello everyone!” – Lucius greeted them all.

Tamara looked from her seat, feeling awkward, and said:

  • “Hello, Dad.” – Tam greeted.
  • “Mr. Fox.” – Timothy said, rising from his chair.

Alfred noticed Tim and Tam, and approached them…

  • “Good evening, Master Tim, Miss Fox.” – Alfred greeted them.
  • “Good evening, Alfred.” – Tim said, shaking the old man’s hand
  • “I didn’t know you were meeting this beautiful lady tonight, Master Tim” – Alfred said.
  • “And I didn’t know that you were meeting old friends tonight.” – Tim said, half sarcastic – “And I guess we both didn’t know that Dick was taking Babs, Damian and Steph for diner also… but, that happens.”

Alfred looked at Dick, Babs and the two teens with them, and said:

  • “Indeed, it happens.” – Alfred said…

Jim approached the couple, greeting both of them, and Dick, Babs, Steph and Damian came closer, forming an agglomerate of people in the middle of the floor, what caught the maitre‘s attention. He came by, and addressed them:

  • “Pardon me, Gentlemen.. are you all together?” – the Maitre asked

Dick, Tim, Babs, Tam and Lucius exchanged looks, but before they could speak, Damian, with a innocent face, got near Babs’ father and said:

  • “Oh yes, we are!” – Damian said, earning incredulous glances from everyone but Jim Gordon – “You see, sir, we met by chance, but we are all friends and family.”

Damian kept his performance, despite the looks he was receiving from the others, and turning to the Commissioner, he said:

  • “Wouldn’t it be nice if we all got a big table?” – Damian asked, with an innocent face and bright, hopeful smile.

Jim Gordon looked at the boy a bit awkward, and padded his head, looking at the rest of the group:

  • “Well, a guess that’s a good idea.” – Jim said, looking at the others.

Tim, Babs and Steph looked sharply at the younger Wayne, that kept his act nevertheless, and Dick, Alfred and Lucius, after exchanging several glances, nodded in agreement.

  • “Good then, if you all follow me, I will order the waiters to move all your orders and drinks to your new table.” – The Maitre said.
  • “Isn’t that great? All of us sitting together?” – Damian asked, with his flawless innocent smile.

The Boy wonder kept his act until Gordon turned away, and them Tam noticed, the hard glances from Dick, Tim, Babs, Alfred and Steph, and the evil smile that crept on Damian’s face…

  • “The night has just turned interesting.” – Damian said, with an expression worthy of Ras Al’Ghul himself.

[At the big table – after diner]

Tam Fox was sure that Tim Wayne was going to kill Damian. And he would have help, plenty of help. Damian was lucky that Stephanie and Timothy were not near him on the table, or one of the two would have strangled him already. Babs also wanted to kill Damian, and Dick, well, Tam was pretty sure that the older Wayne brother was mildly amused by the Younger Wayne Brother’s performance…

Damian had managed to tick Tim off three times, Stephanie two times, every single time with a expression of pure innocence that would have fooled everyone but the offended parts. The only reason why he didn’t do more was because Barbara Gordon had the foresight to sit next to the little troublemaker, and held him by his ear a number of times, until Damian decided that losing a ear wasn’t worthy the trouble. Truth be told, it Babs had been easy on the kid until he asked her dad if Dick had asked her hand formally or if his daughter and Wayne’s oldest son were going to elope… after that, Jim, Lucius and Alfred decided that this was way too much serious topics and started to share embarrassing stories of their children, much to Dick’s, Bab’s and Tam’s dismay.

  • “Oh, Please, can you call Pru and ask her to kill me?” – Tam asked Tim in a dramatic tone.
  • “Come now, it is kind of funny.” – Tim said, trying to comfort her, sorta of.. – “A bit humiliating, but amusing…”
  • “You’re not helping…” – She replied with a growl.
  • “Ok, ok…” – Tim conceded, as he looked around…

Tamara rested her head on his shoulder, with no hope of escaping those horror stories of her childhood that her father loved to tell, when Tim intervened.

  • “Ok, come with me…” – Wayne commanded.
  • “Come where?” – She asked.
  • “You’ll see.” – He said, with a charming smile.

She raised her head, looking at him with curiosity, as he rose from his chair and moved to help her out. The others noticed his movement, and looked at the couple:

  • “Where are you going, Tim?” – Dick asked.

Timothy simply smiled, not answering the question, as he held Tam’s hand and walked away from the table:

  • “Enjoy the dessert, guys.” – He said.

As they moved away, and towards the stairs, Tam asked again:

  • “Where are you taking me, Mr Wayne?” – She asked.
  • “You’ll see, Miss Fox” – He replied again.

The two young adults went down to the main floor, and Tamara noticed a dozen individuals, all dressed uniformly, prepping instruments to be played. Immediately she stopped on her tracks, already understanding what her date wanted:

  • “Oh, no, no..” – Tam said – “Tim Drake Wayne, you better not be planning what I think you are planning to do.”

Timothy grabbed her hand again, this time not letting go, and kept going:

  • “I came here to night to be with you, Tam.” – He said – “As much as I like your father, Alfred, my friends and my brothers, I didn’t come here to enjoy they company, I came here to enjoy your company, yours and yours alone.”

He turned to her, bringing her close to him, as his hand moved to her waist:

  • “We survived a bunch a ninja, saved the day and protected the Wayne legacy… I think we deserve to have some fun ourselves.” – He added.
  • “What about all the people? This will make our engagement problem even worse!” – She pointed out.
  • “Let them talk… the only thing that I care today is that you’re here with me, and I would not have it any other way.” – Tim said.

Tam felt her heart pounding, and he knees trembling slightly with those words… Her brown eyes fitted the blue of his eyes, as she smiled happily…

  • “So, we’re back to the part when the hero trying to impress the girl?” – She asked, moving her head closer to him…

He smiled charmingly and got even closer:

  • “No, that’s the part when he kisses the girl.” – He said, his breath tingling in her skin.
  • “Good, I love this part.” -she said in a whisper, half-opening her mouth, welcoming him to a kiss…

[ On the Upper Floor]

Alfred heard the sweet melody of Moonlight Serenade playing on the main floor, and he turned from the table to look at the band, but he got a surprise when he looked down.

  • “Oh, My…” – Alfred exclaimed, getting the attention of Jim, Lucius and Stephanie
  • “What happened, Alf…Oh… Oh my…” – Jim Gordon said, as he looked down.

Immediately, Lucius and Stephanie, that were closer to the ledge turned to see what was the commotion all about, and they were shocked… Steph felt as if something had ripped her guts off, as she watched her former something kissing that girl the same way he used to kiss her. ‘No,not the same way…‘, Stephanie thought. Tim wasn’t the same, he had grown, matured, and that wasn’t the enthusiastic, energetic, juvenile kiss that she had been kissed before; this was intimate, deep… an adult kiss.

  • “Tamara?” – Fox exclaimed, as he witnessed his daughter kissing Timothy Wayne.
  • “What is happening?” Dick asked, rising from his chair, and seen the scene – “Oh… Oh! Babs, you have to see this.”
  • “See what? What are you do…??” – Barbara asked, confused, as Dick grabbed her chair and moved her close to the balcony – “Dick, what are you …Oh!!”

Barbara Gordon smiled for a moment, as she saw what they were seen, but she immediately looked away, as she noticed Stephanie rising from her chair and moving away towards the terrace. Barbara knew about her pupil and Tim, and she looked at Grayson, and said:

  • “I’ll go after her.” -Barbara said.

Dick nodded his head, moving away so that Babs could maneuver her wheelchair. He got closer to the rail as did Damian… Jim patted Lucius in the back and said:

  • “Well, Lucius, I guess congratulations are in order, pal.” – Gordon said.
  • “I guess you’re right…” – Lucius said, still surprised.

Downstairs, in one of the tables, Vicki Vale shared the same surprise, as she was certain that the girl had lied to her to justify her presence at the manor that night. As she observed the couple starting to dance, she balanced her head, with a amused smile and turned away, believing that perhaps, waynegangement could turn out into something other than a ruse, after all.

THE END.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Fan Fiction, Red Robin

Red Robin – The Truth Within Lies (Part 1 of 2)

RED ROBIN – The Truth Within Lies

By Vinnie Warlock.

August 2010

Description: Tim meets Tam for diner, and some unexpected guests show up…

Characters: Tim Wayne & Tam Fox (leading) / Vicki Vale, Lucius Fox, Jim Gordon, Alfred Pennyworth , Dick Grayson, Damian Wayne, Barbara Gordon, Stephanie Brown (secondary)

Timeline: Post “Collision” Mid “The Hit list”

Disclaimer: I own a Palm Treo, a Metro Smartrip Card, A cool-looking Backpack and a IBM Thinkpad. DC Comics owns all the rest.

[Gotham City – Godfrey’s Terrace Restaurant]

On the Edge of the Fashion District, facing the ocean and the lights of New Troy on the other side of the bay, Godfrey’s Terrace was considered one of the hidden gems of Gotham’s Gourmet Circuit. The grandeur of the Art Nouveau architecture from the turn of the 20th century and the Parisian decoration gave a charm that was unique to the place. But there was nothing charming about the way Tamara Fox had been left waiting by the person who had invited her for that night.

Tam knew that he probably had a good reason to be late, probably fighting crime and saving lives somewhere along the rooftops of Gotham. She knew of his recent activities in Chinatown, trying to end the gang war there and put some corrupt officials in jail; maybe that’s what he was doing right at that moment, and she understood the importance of what he did, but that didn’t mean that she had to be radiant about it, even though she was dressed to that effect…

As she played with the empty glass on the table with her finger, she thought about what her life… it wasn’t Tim’s lateness alone that bothered Tam, it was the whole relationship between them, promptly dragged into the spotlight by that Noisy Blonde Bimbo that forced her to make up a story for her closeness with the adoptive son of Bruce Wayne. And speaking of the devil…

  • “Oh, hello, Miss Fox… or should I call you future-Mrs Wayne?” – Vicki Vale greeted amicably.

  • “Hello, Miss Vale, and goodbye…” – Tam replied in a cold tone, and turned her head to the window.

Vicki Vale smirked, and took the empty chair across from the ebony beauty. Tam turned to her uninvited companion and said:

  • “I don’t remember inviting you to my table, Miss. Vale.” – Tam said.

  • “Please, Call me Vicki” – The Columnist said, and crossing her legs, she said, with a predatory smile – “Besides, I just wanted to ask you how did you feel about your fiancé painting himself as a target in that press conference?”

Tamara stared daggers at Vale, giving the reporter the clue she wanted.

  • “You surely realize that whoever those crooked cops are, they know that Tim Wayne knows about them and it is in a position to harm them, what makes him a logical target.” – Vale said, and leaning in, with a mock whisper, she added – “And by extension, you, Miss Fox.”

  • “Tim knows what he’s doing, and I trust him.” – Tam retorted, with a hint of anger in her voice.

Vicki looked unfazed at the angry stare from Tam, as she pressed on:

  • “I’m pretty sure you do… the same way that He trusts you with covering his nocturnal activities.” – Vale said. – “Who knows? You might cover for all of them at one point.. The butler is an expert at it, he could probably give you a few pointers..”

The look in Tam’s face became even more severe as the spoke:

  • “I think that it is time for you to go.” – Tam stated

Vicki rose from the chair, always under the glare of Tam, and she passed the table, stopping next to Fox. She put a hand o Tam’s shoulder and leaned, whispering:

  • “By the Way, how was your trip to the Middle East?” – Vale asked.

Tam turned her head to the blonde Columnist and rose from her chair, facing the blonde reporter with a fierce attitude, sticking a finger in Vale’s face:

  • “Stay out of our lives….” – Tam growled.

For a moment, the two women were in a stalemate, as Vicki didn’t bulge, but when a strong grip forcefully made her turn on her heels, her calming demeanor was shattered as she faced the dark glance of a pair of blue eyes. Timothy Drake Wayne held the Columnist with a firm grip, a bit tight and a clear sign that he wasn’t happy…

  • “Tim!” – Vicki said, startled.

She gulped, suddenly afraid, as the Heir of Bruce Wayne narrowed his eyes, giving her a intimidating and frightening stare that made her feel as if the room temperature had dropped several degrees at once… Behind her, Tam saw Tim eyes and recognized immediately the dark stare of Red Robin that he was using on the blond reporter. Tamara almost pitied her…

  • “You already got your headline, Miss Vale.” – Tim’s voice sounded even, but there was an edge to it that made Vale shiver and want to get away from him. – “I suggest that you take Tamara’s advice to stay out of our lives, before I decide to return the favor and bring to light some of your own private affairs.”

  • “I don’t know what you’re….” – Vale tried to speak, just to me cut abruptly again

  • “I’m sure that The Flamingo bring back memories of your good friends, Santos, Foster and Bergdorf…” – Wayne said, making the Columnist turn paler and paler…

  • “W-wha.. h-how…?” – Vicki stuttered in panic…

Vale looked stoic for a moment, and then brought up a discreet smile to her face. Tim released her, as she crossed her arms:

  • “Very good, Tim Wayne.” – Vale said – “So, are we in the blackmailing stage now?”

  • “Stay out of my affairs, and I’ll stay out of yours…” – Wayne replied, with a cynical voice.

Vale looked at Tim, not with the anger Tamara expected, but with admiration:

  • “This isn’t over, Mr. Wayne” – Vicki said, and turning to Tam, she said – “And Waynengagement wont fade so easily.”

  • “It is over for tonight.” – Tim stated, with finality.

Wayne looked over his shoulder to his Ebony Beauty, that nodded approvingly at him. The Blonde Columnist, knowing better than to press the young couple anymore that night, gave a polite smile and said:

  • “Very well, then.” – Vicki said, looking around, and at the entrance – “We have an understanding, so I will leave you lovebirds alone now. Bye Bye…”

Tamara watched as the reporter moved away, greeting some other socialites with polite smiles, and she looked at her hero, that was not watching the Blonde Bimbo, but he was staring at her, from head to toe. Tam felt herself blush…

  • “You look… adorable, Miss Fox” – Tim said, with a charming smile.

  • “Why, thank you, Mister Wayne.” – Tam replied, with a smile that could warm even the coldest heart. – “You looking very handsome yourself, if not a bit on the bon vivant side.”

Tim raised an eyebrow inquisitively, as she looked pointedly to his tie unknotted. She got near him, bringing her hands to his chest, sliding it until she reached the tie. Tim stood patiently with a smile as she fixed his tie:

  • “Good thing that I did that for my dad may, many times.” – Tam said.

  • “I was in a hurry, I didn’t want to leave you waiting any longer.” -He replied.

  • “And as always, you arrive at the right time to save the girl.” – She said, in a flirtatious tone – “Why, Mister Wayne, one might start thinking that the hero might be trying to impress the girl. There, it’s fixed now.”

Before she moved her hands away, she felt his warm hands over hers, keeping her near. With a charming smile, he said:

  • “Maybe he is trying to impress the girl.” – Tim said – “What do you think, Miss Fox, will she be impressed?”

  • “She will fall in his arms, madly in love” – Tam replied, teasing him.

  • “That’s what I’m counting on.” – He said, as he leaned close to her, whispering in her ear.

Tam felt a shiver trough her body, as his warm breath touched her skin. He smelled her perfume and smiled, leaning back again. She looked in his eyes, charmed by his smile, until the spell was broken by a third individual:

  • “Please, Drake, refrain yourself.” – Damian Wayne said – “I’m came here to eat, not to be nauseated”

Tamara and Timothy turned their heads to the younger heir of the Wayne family, that was accompanied by Richard Grayson, Barbara Gordon and Stephanie Brown. Tam noticed that the blond girl was staring daggers at them two. She knew the ward of Bruce Wayne, and she also knew the daughter of Commissioner Gordon, who apparently was on the loop, and knowing what she knew, it wasn’t so difficult to figure it out who the blonde girl was…

  • “Good Evening, Tim.” – Dick said, and extending his hand, he acknowledged Tam – “And You must be Tam.”

She accepted his gesture, and Grayson bowed, kissing her hand.

  • “It’s a pleasure to finally meet you, Miss Fox.” – Grayson said.

  • “The pleasure is all mine, Mr. Grayson. And please,call me Tam.” – Tamara said.

  • “Only if you call me Dick.” – Grayson replied with his usual charm.

  • “Tam, this is our dear friend, Barbara, and my snotty young brother, Damian.” – Tim made more introductions.

Tamara shook Barbara’s hand with a smile, and said:

  • “Nice to meet you, Miss Gordon.” – Tam said. – “My father always speaks kindly of the Commissioner.”

  • “Your father is a good friend, Tam.” – Barbara said – “And please, call me Barbara.”

Tam smiled and turned to Damian, offering her hand. Damian shook her hand and as she noticed the bandages on his face, she asked:

  • “Oh dear, how did you get hurt?.” – Tam asked.

Damian looked at Tim, narrowing his eyes, and said:

  • “Ask your fiancé.” – Damian replied.

Tamara looked back at her date, and Timothy looked unfazed at the new Boy Wonder:

  • “You cut my line” – Tim stated, calmly

  • “And you put me on The List.” – Damian retorted, with venom in is voice.

  • “You threw me from the top of the dinosaur.” – Tim gave replied back.

  • Touché” – Damian said with a smirk.

As the Youngling didn’t reply, Timothy glanced at Stephanie, and holding Tamara’s hand and said:

  • “Tam, I would like to introduce you to a good friend of mine, Stephanie.” – Tim said, and in turn, he addressed the blonde – “Steph, this is Tam Fox…”

My fiancé‘ Timothy completed the sentence in his mind, but didn’t voice it out. Stephanie noticed the knowing look on Tamara’s face, and she knew that she was onto her. Steph knew that the girl knew about Red Robin, and she would have probably figured the rest out by now, specially after seen her with Dick and Damian.

  • “We’ve met.” – Both Tam and Steph said as they shook hands.

Tim arched an eyebrow, and Dick and Babs smiled, amused. Damian had a bastard grin on his face, as he said:

  • “I must say, Drake, you traded up.” – He said – “At least this one doesn’t need stuffing to show a bust.”

Immediately Stephanie glanced at Damian, revolted by his words:

  • “What! You son of …” – Steph started, being interrupted by Babs:

  • “Stephanie!” – Barbara said, in a severe tone – “Manners, please.”

Brown took a deep breath, not wanting to receive a reprimand from her mentor, and kept shooting daggers at Damian, that kept his grin, until Babs got him by his ear, that is…

  • “HEY!! Ouch, ooouch… Quit it, woman!” – Damian complained, as he was dragged by his ear to face Gordon.

Damian’s bravado stopped as soon as he faced Barbara, and behind her, Grayson. Besides Tam, Tim watched amused as Babs said something just for the boy to hear, and released him. Damian looked at Babs as if he wanted to set her on fire, but refrained himself from say anything, just turning to Tam and Tim:

  • “It was a pleasure to meet you, Miss Fox. My regards to your father.” – Damian said, and looking at Tim, he just nodded – “Drake.”

  • “Damian..” – Tim nodded back

  • “You two enjoy the evening.” – Dick said

Tamara observed as the two adults and the two teenagers moved away, Damian and Stephanie bickering along the way, and then she looked at Timothy, who was holding the chair to her.

  • “Are they always like that?” – Tam asked, as she accepted his gesture.

  • “Apparently yes..” – Tim said, tucking the chair in for her, and walking to his own chair – “Between my night life, the foundation and our engagement, I haven’t been around them enough to see.”

Tam waited for him to seat, and saw Wayne gesture to someone behind her. The waiter came promptly, having being there for quite some time already. He approached the table with a smile, and handed them both the menus…

[At the same time, on the upper level.]

Vicki Vale moved away as soon as she saw Dick entering the restaurant. She didn’t want to have to deal with the elder brother so soon after the last time. As she walked on the upper level of the restaurant, she saw glimpses of the informal family meeting, but she was abruptly stopped by a hand that grabbed her arm. Vicki looked away from the Wayne family to the owner of the offending hand, just to find Lucius Fox, CEO of Wayne Enterprises, seated at a table.

  • “Oh, hello, Mr. Fox.” – Vicki said. – “Fancy meeting you here.”

  • “Good evening, Miss Vale.” – Lucius said, and gesturing to the empty chair, he said – “Please, have a seat.”

The Columnist looked at the middle-aged man, and nodded affirmatively… she took the seat, and looked down to the main floor, with a smirk:

  • “So, the father comes to watch over his daughter…” – Vicki said.

  • “I’m not here to spy on my daughter, Miss Vale.” – Lucius stated, grabbing the wine bottle and filling the empty glass in front of the reporter. – “I came to meet some old friends, and my older daughter. I didn’t know Tamara would be here.”

  • “She came here to meet her fiancé.” – Vale said accepting the wine – “I’m sure that you as her father approves this relationship, of course…”

  • “Timothy Wayne is a good is a nice young man, decent and with good character. I see no wrong in him, and Tamara is a very level-headed and independent woman, I trust her judgment.” – Lucius said, and with a cynical smirk, he added – “I even framed your front page and put it on the wall.”

Vicki smiled, as Lucius looked over his shoulder at the table where his daughter and her date were talking and enjoying each others company. He looked back at the reporter and said:

  • “I understand that is your job to go after the news, Miss Vale, but I would appreciate if you could be gentler when dealing with my daughter.” – Lucius said, as he sipped his wine.

  • “I’m being as gentle as I can be, Mr. Fox, but your daughter being engaged to the Heir of Bruce Wayne is news in this city.” – Vicki said, and looking down again, she added – “Besides, they do look good together.”

Lucius looked over his shoulder again, catching a glimpse of Tam’s wholehearted laugh at something that Tim said. Fox smiled himself, looking at how beautiful and how much his youngest daughter resembled her mother.

  • “Yes, they do…” – Lucius agreed, in a gentler voice

[In another table, near the windows]

  • “Look at them.” – Barbara Gordon said, discreetly, to Dick.

Richard Grayson, who was verifying his messages from the League turned to the table, believing that Babs was talking about Damian and Stephanie, but they were still bickering as usual, with Steph stealing furtive glances at a certain table near the dance floor. And then, Dick noticed… the easy smiles, the hands touching in the table, the flirting…

  • “They seem to be enjoying themselves.” – Dick replied to Babs.

  • “Waaay too much, if you ask me…” – Stephanie said, in a bad mood.

  • “It seems to me that somebody is jealous..” – Damian provoked.

  • “Steph, if you’re not feeling comfortable being around…” – Barbara said.

  • “I’m perfectly comfortable being here.” – Stephanie replied, in a indignant tone. – “Timothy Drake Wayne can date whoever he wants, get engaged to whoever he wants, I don’t care!, it’s none of my business.”

Babs knew better, but she didn’t press on.. Dick noticed Damian looking to the other side, and smirking. He followed his partner line of sight and noticed what he had seen…

  • “Lucius Fox is here?” – Dick said, in disbelief.

  • “Here? Where?” – Stephanie asked.

  • “Upper floor, third table right of the statue.” – Barbara said, in a even voice.

  • “You don’t think that he came to spy on his daughter, do you?” – Stephanie asked.

  • “Lucius is not that overzealous.” – Dick replied – “Besides, he’s talking to… Vicki Vale??”

  • “Well, perhaps he’s being overzealous in his own way..” – Stephanie suggested – “Not worrying about her date, but about the press.”

  • “A pity. That would be another vote for my motion of No Confidence in Drake.” – Damian said, sipping his soda.

  • “He really filled those motions?” – Babs asked discreetly to Dick.

  • “Seventeen of them.” – Grayson replied.

Babs just shook her head in negative, offering her glass for Grayson to fill it up.

  • “Speaking of overzealous fathers… What is your father doing here, Babs?” – Stephanie asked, as she noticed the newcomers – “And with Alfred?”

Babs, Dick and Damian looked toward the entrance, where Commissioner James Gordon and Alfred Pennyworth had just appeared… They noticed as Babs father waved to someone on the upper floor, and were surprised to see Lucius reply the gesture.

  • “Okay, that’s getting interesting..” – Dick said, slightly surprised.

CONTINUES ON THE NEXT PART….

Deixe um comentário

Arquivado em Fan Fiction, Red Robin

Fan Wars Universe – AMILOCK – Parte 3 (Final)

….CONTINUANDO

 

A Imperatriz e seu Executor se despediram de todos, Ela sempre com a mesma façada graciosa e amigável, mas sem se demorar mais que o necessário. Já afastado dos demais, a façada amistosa se desfez e o Chiss pôde constatar que de fato ela estava descontente em encontrar os outros. Ele também estava contrariado, ainda que para o Sith, ter sua irritante contraparte e os outros era simplesmente um contratempo que ele podia lidar, mas Amidala aparentemente estava levando a coisa mais a sério. Foi preciso mais uma garrafa de Vinho de Rosas, algumas palavras bem colocadas, uma massagem nos pés, morangos com calda de chocolate e mas definitivamente, fazer amor na brisa suave da manhã para mudar o humor da Naboan.

Agora, na cama de lençóis alviverdes, Helena Amidala, ex-rainha de seu povo durante a maior crise da história de Naboo, inspiração para toda uma geração de servidores públicos, soberana do primeiro Império Galáctico em mais de 5.000 anos, a Imperatriz Esmeralda detentora de um dos mais poderosos artefatos do universo, e indiscutivelmente a mulher mais poderosa da história da Galáxia estava agora cansada, contente e relaxada. Seu corpo desnudo, semi-coberto pelo lençol amarrotado, recostado confortavelmente no corpo do seu amante Zodian, contrastava com o espírito leve como uma pluma que ela tinha naquele momento. Ali, entretida, seus dedos passeando entre nos pelos abundantes do peito do seu Sith, Helena sorria livremente, com as coisas mais simples, como a sensação gostosa do dedos da mão do seu Executor subindo e descendo ao longo de sua coluna, da nuca até a linha do sutiã, sem pressa, como seda suave acariciando sua pele.

A brisa tropical que invadia o quarto lhe deixava preguiçosa, dengosa, e ela se esticou um pouco,se espreguiçando, só para escalar um pouco mais o corpo do seu Sith, repousando sua cabeça no peito dele. Uma mão cheia de cuidado afastou as mechas que encobriram o rosto da Naboan, colocando-as para trás da orelha, e retornou para as costas dela, subindo e descendo ao longo da coluna. Helena sorriu novamente, contente em ser tratada de forma tão preciosa.

  • Vynn… – Ela falou, num tom feminino.

  • Sim, Amidala? – Ele respondeu, num tom brando.

A Naboan, se olhar para ele, ainda com a cabeça repousada no peito do Zodian, perguntou:

  • Por que você não me chama por meu nome? – Ela perguntou.

  • Você se chama Amidala, não é? – Ele respondeu com uma pergunta.

  • Eu me chamo Helena, Vynn. – Ela respondeu contrariada com a tentativa de desconversar dele – Amidala é um título real, assim como Darth Warlock é um título Sith. Mas você sabe muito bem o que eu perguntei.

Ela levantou a cabeça , virando-se, seu corpo deitando por cima do dele ao que ela o encarou de frente:

  • Por que você nunca me chama pelo meu nome, nem quando eu estou na sua cama? – A Naboan perguntou.

Ela notou os olhos fantasmagóricos lhe fitando ao que ele ficou em silêncio. Ela o conhecia o suficiente para saber que ele não estava se recusando à lhe responder. Seu Zodian estava buscando as palavras certas, e por isso, ela esperou pacientemente. Após quase um minuto de silêncio, ele falou:

  • Eu lhe chamo por seu nome Real para manter a perspectiva entre nós clara. – O Zodian falou.

Helena sabia que havia mais a ser explicado, e por isso ela não falou nada, esperando que ele continuasse:

  • Você é minha Imperatriz, a quem eu fiz um voto de lealdade e servitude. – Ele começou. – Você é o alfa de nós dois, não eu. E se alguém está na cama de alguém, sou eu que estou na sua cama, todas as vezes, por que você assim deseja e me permite.

A Naboan continuou a fitar seu Sith, ponderando as palavras dele:

  • Lhe tratar por seu nome é entrar em um território perigoso; é criar uma intimidade que pode nublar o principio básico do status quo entre nós dois – Warlock falou – Eu sou seu Executor, e você é minha Imperatriz. Por mais privilegiado que eu seja, este princípio fundamental não muda. Eu não sou seu igual, não sou seu consorte, eu sou seu concubino, seu servo.

As palavras do Sith ressoavam fundo na mente de Amidala, e ela sabia muito bem em que ele estava baseando seu raciocínio. Era brutalmente claro para a Imperatriz, a maneira como Warlock abriu mão da sua esfera de poder e influência entre Coluans, Chiss, Zodians e Hutts, quatro governos fortes que formaram uma aliança sob a liderança do Sith, e que constituíam a maior força da Galaxia. Mas ele entregou à ela, Amidala, estas quatro civilizações de mão beijada, solidificando a Imperatriz Coruscanti como a primeira soberana galáctica em milênios.

Ele também se isolou, das pessoas que lhes eram mais importantes; sua prima, Feh, a mulher que ele amava; Carolyna, a cúmplice que a quem ele chamava de alma-gêmea; Josefa, a tutora a quem ele admirava; Ellen, a pupila a qual ele moldou numa líder; Winter e Isaak, os únicos laços de sua vida Zodian; Jimmy e Chloe, a única família que ele conheceu… Warlock estava efetivamente afastado da Cavalaria, e mesmo entre a Ordem Sith, ele se mantinha aparte, deixando à cargo de Anakin e Viktor tudo que dizia respeito aos Lordes Negros da Força.. Para todos os efeitos, o Zodian se limitado e restringido à ser o Executor Imperial, um título cuja autoridade estava ligada diretamente ao Trono.

Seu Executor havia aberto o jogo com ela após a guerra. Ele à havia revelado todas a teia de intriga, mentiras e manipulação que resultaram na ascensão dela ao Trono Galáctico, e todas as atrocidades que ele cometeu em nome desse objetivo. Ela já havia deduzido boa parte do que ele contou antes mesmo do final da guerra. Amidala havia ligado os pontos ao longo do caminho, as prisões arbitrárias, os assassinatos, os atentados. Ela não o repreendeu, não o julgou, assim como ele não há havia repreendido nem a havia julgado quando ela mesmo havia feito tudo isso com ela mesma, em outra vida, lá em Naboo…

Havia vezes em que ela olhava para o Sith e podia se lembrar daquele jovem Zodian, tímido e inocente que um dia decidiu guardar segredo sobre o affair secreto da Rainha de Naboo. Amidala foi uma testemunha privilegiada, talvez a mais privilegiada de todas, na vida do homem que a galaxia conhecia como Darth Warlock, e ela sabia que a essência daquele jovem ainda brilhava firme por trás daqueles olhos fantasmagóricos. Ele havia simplesmente decidido tentar fazer seu melhor com a vida desafortunada que lhe foi dada, sem arrependimentos nem desculpas, e ao final, quando ele podia ser muito mais ainda, ele abriu mão de tudo…. ele abriu mão por ela. A Imperatriz decidiu que o status quo não era do seu agrado:

  • Você não é meu servo, Vynn, você é meu aliado, meu maior e mais importante aliado. Meu parceiro, meu confidente, meu cúmplice. – Amidala declarou – Este Império existe tanto por sua causa quanto por minha causa, por que você fincou os alicerces que sustentam o trono que eu ocupo. Nós dois construímos o Império juntos.

Ela ergueu-se, sentando em cima da barriga dele, e segurando na cabeceira da cama, ao que ela continuou:

  • Você não é meu concubino, você é meu amante. Você é mais que meu consorte, você é o homem com que eu compartilho o que há de mais íntimo em mim, o homem a quem eu confio minha vida. – A Imperatriz falou, e curvando-se, ela aproximou o rosto dele sussurrando no ouvido dele- E você é também o homem cujo nome eu falo quando meu corpo explode em êxtase, o dono dos braços que eu busco para me envolver quando eu quero esquecer do mundo…

  • Amidala… – Ele murmurou em retorno, ao que ela ergueu-se,fitando-o nos olhos.

  • E o mínimo que você pode fazer… (beijando-o no rosto) quando eu estou em sua cama…(mais um beijo no rosto) em seus braços.. (uma bitoca nos lábios)… depois de ter feito amor comigo…(outro beijo no rosto)…e ter me ouvido chamar seu nome entre meus gemidos de gozo, é me chamar pelo meu nome. – Amidala falou…

Warlock encarou a Imperatriz em silêncio, ela com uma expressão maliciosa no rosto, e ele levou uma mão a cintura dela, e outra ao rosto da Naboan, acariciando-a. Ela tomou a mão dele em seu rosto com a sua, e a trouxe até seus lábios, beijando a mão de seu Zodian, enquanto o olhava com malícia e expectativa.

  • Helena. – Vynn Dox a chamou…

A Imperatriz abriu um sorriso satisfeito e falou:l

  • Não foi tão difícil assim, tá vendo? – Ela brincou

  • Eu vi. – Ele respondeu. – Perdão por não ter usado seu nome antes.

Amidala levou um dedo aos lábios dele, silenciando-o, e falou:

  • Sem desculpas… – Ela declarou – Você quer se desculpar, me chame por meu nome.

  • Como queira… Helena – O Sith falou, dando ênfase ao nome dela.

  • Bom, você tá aprendendo… – Ela respondeu satisfeita.

  • Helena, Helena… – O Zodian falou, puxando-a para o colchão..

  • Ahh!! – ela deu um gritinho ao se derrubada, e riu ao que Seu amante a atacou com beijos…

Uma vez mais, Helena Amidala estava contente, tendo seu corpo beijado por seu amante, e ouvindo seu nome ser sussurrado pelos lábios de Seu Sith. Ela sorriu satisfeita, puxando o rosto dele para junto dela, selando o momento com um beijo, longo e romântico.

FIM

1 comentário

Arquivado em FW 1.0

Fan Wars Universe – AMILOCK – Parte 2

 
…CONTINUANDO
 
 

Eles despediram-se rapidamente, ao que os outros também tinham pressa de aproveitar o carnaval, e o Sith e Helena continuaram a seguir pelo calçadão. Ela olhou ao redor, para ter certeza que ninguém estava prestando atenção neles, e falou:

  • Essa foi, e longe, uma das situações mais paradoxais que eu já tive na vida. – Helena falou. – E você, tinha que me beijar daquele jeito?

  • E por que não? Depois de tanto charme que você fez nas fotos, eu tinha de ser firme. – O Executor respondeu – Lordes Sith não podem se mostrar em desvantagem…

  • Sei… – Ela falou, sarcástica. – Caramba, e todo esse povo torcendo para que eu e você sejamos um casal? Que coisa louca!

  • Não exatamente, minha cara. – Ele retrucou – Pense bem… Uma Imperatriz solteira, sem nenhum relacionamento sério, e um Executor que antes era famoso por ser galanteador e agora é praticamente um monge. As massas querem ver semblantes de mundanidade em pessoas em posições de poder, algo que eles possam correlacionar, e que melhor aspecto mundano do que romance?

Helena olhou para o Sith, surpresa com a lógica dele, que por mais clichê que pudesse soar, fazia sentido. Ele simplesmente lhe devolveu o mesmo sorriso egocêntrico de sempre, o que fez a Naboan revirar os olhos, e continuar caminhando. Eles caminharam mais um quarteirão, antes que o aroma de uma comida familiar encheu as narinas da Imperatriz.

  • Eu não acredito… – Ela falou, com grata surpresa.

  • Não acredita no que? – Warlock perguntou, um segundo antes de ser puxado para um dos quiosques.

Amidala arrastou o Sith pelo braço, até parar diante de um quiosque. Warlock ergueu uma sobrancelha de forma inquisitiva, ao sentir o aroma do prato que eles estavam cozinhando, que era agradável, mas não exatamente familiar para ele, o que não era o caso da Imperatriz, que de forma completamente atípica, colocou as mãos no vidro, com um sorriso de orelha à orelha no rosto…

  • Putz, Grilla, Banana Cozida! – Amidala exclamou, com entusiasmo quase infantil

  • O quê que é cozido?? – Warlock perguntou, não reconhecendo o prato.

  • Banana! – Ela respondeu. – Você não conhece?

  • Não é algo que nós tenhamos em Korriban. – Ele falou.

  • Ah, pois você tem que experimentar então! – A Naboan falou, puxando-o para a fila.

O Executor nem perdeu tempo protestando, ao que eles seguiram para o final da fila, que era um pouco longa demais para o agrado do Sith, mas ele não falou nada, já que era raro ver Helena entusiasmada com comida. Os dois seguiram a fila, ela na frente e ele a seguindo. A Naboan aproveitou para recostar-se no peito do Zodian às suas costas, e não se opôs ao que ele a abraçou pela cintura. Era uma sensação estranha para ela se permitir intimidade com alguém em público, ainda mais não estando disfarçada, mas também era gratificante saber que existia um lugar e ocasião onde ela podia ser ela mesma, sem subterfúgios, e agir não como Amidala, a Imperatriz, mas como Helena, a mulher.

Eles passaram cerca de 10 minutos na fila do quiosque que estava meio disputado, para que a Imperatriz pudesse degustar de um dos seus pratos prediletos. A Naboan fez o Zodian carregar uma sacola com mais bananas que ela comprou, e ela tratou de devorar a que estava em suas mãos, ao que os dois continuaram a caminhar. Aquela sensação de anonimato era algo que Amidala estava aproveitando imensamente. Ela ofereceu uma mordida ao Sith, que por educação aceitou, mas não deu nenhum sinal de gostar do prato tanto quanto a Imperatriz. No meio do caminho para a pousada, o Executor parou em uma das barracas, e voltou com uma sacola cheia de algo chamado Tapioca, que era uma espécie de panqueca branca, seca e dobrada que Helena não achou muito atrativa de se ver.

Finalmente, os dois chegaram ao hotel, que ficavam em um prédio histórico, de frente para a praia. Turistas circulavam pelo salão grandioso no piso térreo, que tinha a centro uma belíssima fonte holográfica e plantas locais em vasos pendurados nas colunas. O ambiente em si era pitoresco e confortável, ainda que não contasse com o luxo e sofisticação dos planetas do Inner Rim. De imediato, um droid de protocolo, ornamentado com placas prateadas e rubras, se aproximou dos dois, e os saudou:

  • Bem vindos ao Grand Corellian Hotel. Milordes possuem reserva? – O Droid perguntou.

  • Sim, nós temos uma reserva para um bangalô. – Warlock respondeu. – Nossa reserva está no nome de Vynn e Lenna Jarnen. Nossa bagagem já deve ter sido entregue pelos valetes do espaçoporto.

O Droid de imediato acessou o banco de dados holográfico, e encontrando a reserva, falou:

  • Sim, claro. – O droid falou – Vossos aposentos já estão prontos e vossa bagagem já foi colocada nos roupeiros pelo serviço de quarto. Se milordes me seguirem, eu os levarei ao vosso bangalô.

O Sith ofereceu seu braço para a Naboan, que o aceitou de bom grado, e os dois seguiram o anfitrião, que os levou para fora do prédio principal, em uma plataforma flutuante, que os levou por um trilho sobre as águas, até uma série de cabines que flutuavam rente ao mar, ligadas por passarelas. Eles atracaram-se à varanda de um dos bangalôs, e o droid falou:

  • Bangalô 12. – O Droid informou – Milordes tem um droid dedicado, pronto à atender-lhes à qualquer hora do dia ou da noite, e a carruagem do hotel está a vossa disposição caso milordes desejem ir à algum lugar.

  • Excelente – Amidala falou.- e o serviço de quarto?

  • Nós temos um menu padrão trans-galáctico, e a cozinha fica aberta até das 6 à meia noite para refeições e 24 horas para petiscos e bebidas. – O droid falou, e apontando para a mesa onde havia uma garrafa no balde de gelo e um prato de coquetel, ele falou– Uma garrafa de Vin du Rose Chateau Palio ’31 e crustáceos calamari , cortesia da gerência.

  • Muito apropriado. – O Sith falou, retirando do bolso alguns credichips, e entregando-os ao droid, ele falou – Obrigado por sua hospitalidade.

O Droid curvou-se, e deixou os dois à sós no bangalô. O Executor imediatamente foi até o console na parede, ativou os projetores holocloak, que como um véu, cobriu o bangalô com uma camada translúcida que lhes dava privacidade sem afetar a vista da paisagem, mas que lhes dava total privacidade. Helena retirou seu manto, depositando-o numa das cadeiras, e então aproximou-se da mesa, olhando ao redor…

  • Muito bem, Milorde – Helena falou – Eu estou impressionada. Quando você me disse que você tinha cuidado das reservas do hotel, eu tinha imaginado algo mais… modesto.

  • Os modestos já estavam todos reservados. – O Sith respondeu – Só sobraram os aristocraticamente exclusivos e ridiculamente caros.

Amidala olhou para o Zodian, já sabendo disso, e ela disse, levemente contrariada:

  • Ah, Vynn, eu disse a você que eu iria dividir as despesas com você. – Ela disse – Quanto foi o hotel?

  • Isso, caríssima, não é da sua conta – Ele respondeu, num tom cínico. – Eu lhe convidei para este feriado, e eu disse que iria cuidar do hotel.

  • E eu aceitei sob a condição de nós dividirmos as despesas. – A Naboan deu a tréplica – Eu sei muito bem que o seu soldo militar não lhe permite todas as extravagâncias que você faz, e mais ainda quando você doa quase que todo ele para a fundação da Winter em Korriban.

O Sith se aproximou da mesa, não se deixando afetar pelo olhar reprovador da Naboan, e pegou a garrava de vinho do balde:

  • Eu não sabia que além de Imperatriz, milady era agora tesoureira do Imposto de Renda. – Ele comentou, sarcástico, pegando dois cálices

  • Eu não sei se você notou, mas no seu contracheque tem minha assinatura.– Ela devolveu, pegando um dos cálices que lhe foi oferecido

  • No meu contracheque “oficial” tem sua assinatura, mas meu posto de Executor não é minha única fonte de renda. – Ele falou, ao mesmo tempo que abria a garrafa.

Ele encheu o cálice da Imperatriz, e o seu próprio, e falou:

  • Eu lhe asseguro que minhas finanças não sofreram nenhum revés por causa destas férias – O Sith falou, tomando um gole do cálice – Agora, por que você não tira estas roupas, põe um biquíni e aproveita a água quente do mar?

Ela notou que ele caminhou na direção da porta, e perguntou:

  • Onde você vai? – A Imperatriz perguntou

  • Fazer as reservas para mais tarde, e pegar mais gelo – ele falou, pegando um vaso vazio, fazendo-o de balde de gelo.

Amidala sorriu com a tirada do Zodian, e bebendo metade do seu cálice, ela passou para o quarto, onde encontrou as portas do closet abertas, e suas roupas todas organizadas nos cabides. Usando seu anel para criar dois pares de mãos, que fizeram as vezes de suas criadas, ela retirou sua roupa, e foi mexer no closet.

Do lado de fora, Darth Warlock acionou o terminal holográfico, e verificou rapidamente os relatórios do alto escalão Imperial. Ele não queria dizer à Imperatriz, mas ele não se sentia confortável deixando a administração do Império nas mãos de Val Pellaeon, Chloe Sullivan e Tay Bloom; Pellaeon era uma estrategista brilhante, mas era facilmente manipulável, Sullivan era paranoica demais com seus affairs meta-humanos para ser imparcial, e Bloom passava tempo demais na cama de Winter para notar o que se passava ao redor.

Satisfeito com os reportes, ele caminhou pensativo na direção da máquina de gelo. Ele não havia manipulado toda uma galáxia e construído um Império Galáctico das cinzas de governos galácticos, nem havia forjado de uma ex-rainha a maior líder galáctica da história conhecida somente para ter três cabeças-de-vento ruírem as fundações da galáxia… O Sith estava tão imerso em seus pensamentos, que ele não reparou no indivíduo que estava usando a máquina de gelo, e esbarrou nele. De imediato ele acordou, se desculpando:

  • Perdão, eu não estava prest…. – O Zodian parou na metade da sentença, ao fitar um par de olhos brancos revertidos bem familiares – Você!!?

De volta ao bangalô, Helena Amidala saiu na varanda, vestida no seu biquíni de duas peças, verde e dourado, com um nó de argola unindo o bustiê, uma faixa de seda na tanga, e um robe semitransparente sem mangas até o joelho, que não lhe escondia as formas generosas de seu corpo, e carregando uma bolsa de praia com os essenciais, ao que ela não estava afim de voltar para o quarto desnecessariamente Ela não havia desfeito o coque elaborado de seus cabelos, deixando os cachos livres e naturais, algo que ela sabia que seu Executor apreciava. Ela seguiu pelo pier, indo na direção do atol artificial que era formado com cada conjunto de bangalôs. Ela havia visto por alto algumas redes rentes à água que lhe pareciam convidativas, e a Naboan estava mais que pronta para relaxar.

Ela se aproximou da área comum do atol em forma de pentágono formada pelos cinco bangalôs e notou que duas das redes do lado oposto já estavam ocupadas, uma delas com um casal que estava bastante entretido no romance deles. Amidala escolheu então a rede mais afastada, ao que ela não estava afim de socializar com estranhos, e se agachou no chão, sentando-se e movendo-se para a rede, que era no nível do piso, e diretamente sobre a água. Ela pegou a sua bolsa, e de lá tirou o seu padd. Não era que ela não confiava em Val, Tay e Chloe, mas ela era a Imperatriz da Galáxia… ela não podia se desligar completamente do resto do universo, mesmo em férias.

A Naboan passou uma vista rápida nos reportes do alto escalão, e dando-se por satisfeita, ela guardou o computador antes que o Sith visse e lhe desse uma bronca por trazer trabalho para as férias… Ela exalou, colocou seus óculos de sol, se espreguiçando, finalmente se sentindo relaxada, e contente em estar em paz, no anonimato e…

  • Helena? – uma voz feminina e estranhamente familiar soou.

De imediato ela levantou a cabeça, virando-se para trás, para dar de cara com sua irmã caçula, Padmé Skywalker #Padmé Naberrie Skywalker; Naboan – Senadora de Naboo ; Política Lendária, Força-Guerreira Lendária; em férias#, com um biquíni parecido com o dela, só que em prata e rubi..

  • Padmé? – Amidala falou, surpresa – O-o que você está fazendo aqui?

A princesa de Theed fez pose, levando as mãos de cima a baixo em seu corpo, como se mostrando a roupa, e falou:

  • O que você acha, Leninha? Eu estou de férias. – Ela respondeu. – A mesma coisa que você está fazendo, pelo visto. Feh e Pooja não lhe disseram que eu vinha também?

  • Feh? Pooja? – Amidala perguntou, ainda mais confusa e surpresa. – Elas estão aqui também?

Neste momento, vindo de um dos bangalôs, Wonder Woman #Diana Troy-Katarn; Amazona – Princesa de Hapes; super-poderes Misticos, Guerreira Lendária; em férias# surgiu, também em um biquíni que parecia uma versão miniatura de seu uniforme de heroína. Ela notou a presença da Imperatriz, e falou:

  • Majestade! Eu não sabia que você estava vindo também. – Diana falou.

  • A surpresa é recíproca, Alteza – Amidala falou – Eu não tinha a menor ideia de que iria encontrar vocês aqui.

Padmé olhou desconfiada para sua irmã mais velha, que notou o olhar da caçula, e de imediato colocou sua face política, disfarçando. Logo, a comoção chamou a atenção do casal que estava aos amassos do outro lado do pier, e não demorou mais que um momento para que A Imperatriz reconhecesse sua prima Rainha Amidala # Pooja Amidala Straussberg; Naboan – Rainha de Naboo; Política Lendária, Força-Guerreira Lendária; na terceira lua-de-mel# e o consorte dela, Darth Magnus #Viktor Straussberg; Humano-Chiss – CEO de Kuat Drive Yards; Piloto Lendário, Força-Guerreiro Lendário, Intelecto Nível 10; na terceira lua-de-mel#. A Imperatriz quase desejou que a rede se rasgasse e ela caísse no mar, só para não ter de responder à bateria de perguntas que ela sabia que estava por vir, tão certo quanto o dia tinha início, meio e fim…

  • Helena? É você mesma? – Pooja perguntou, – Que surpresa maravilhosa!

  • Eu mesma… – Helena falou, ignorando o olhar inquisitivo de Padmé – Olá, Viktor.

  • Olá, Helena – Magnus respondeu, sempre com seu jeito calmo – É realmente uma ótima surpresa tê-la aqui.

Um flash de luz surgiu no pier, que logo deu lugar à Power Girl #Feh Starr Naberrie-Kallor Naberrie; Naboan-Kryptonian – Chairwoman da Sociedade da Justiça; Poderes Super-Humanos na Presença do Sol Amarelo; estendendo a lua-de-mel#, Darth Vader #Anakin Skywalker; Tatooinean – Operativo Especial Imperial; Piloto Lendário, Força-Guerreiro Lendário; de férias# e Capitão Marvel #Igor Troy-Katarn; Kuatian – vice-chairman da Sociedade da Justiça; Semi-divindade; super-poderes místicos; guerreiro lendário; em férias# que estavam vestidos como turistas, o Sith com uma camisa de palmeiras e bermudas, o Kuatian com uma camiseta amarela e bermudas, e a Naboan com um biquíni branco de decote mais que generoso com detalhes em dourado. Uma canga florida e chapelão de praia. Os três estavam claramente se divertindo, rindo, eles carregando algumas sacolas, e ela, uma sacolinha mínima

  • …e Obi Wan saiu correndo, praguejando e com as calças na mão, enquanto eu e Igor estávamos nos matando de rir no telhado, assistindo a cena toda… – Anakin continuou a narrativa que ele havia começando antes do teleporte.

  • HAHAHAHAH!!! Putz, Eu não acredito que vocês enganaram o coitado desse jeito, Hehehehe!! – Feh falou, quase chorando de rir – Sabé deve ter ficado fula com vocês depois…

  • Ah, ela ficou um pouco no começo, mas também desandou a rir depois… – Igor falou – Obi nunca mais chamou Anakin quando ele estava de folga com Padmé depois dessa.

Padmé olhou para seu marido, conhecendo bem a história que ele e Katarn estavam contando à sua prima, mas ela tinha outras prioridades naquele momento, mais especificamente, descobrir o que sua irmãzona estava fazendo ali…

  • Ani, Feh e Igor, olha só quem veio também! – Padmé falou, olhando de forma meio cínica para Helena.

  • Lena? – Feh exclamou, surpresa em ver sua prima ali, e foi abraçá-la de imediato.

Amidala se levantou da rede, abraçando sua prima, que apesar de ser capaz de partir destroyers em dois com um murro, se mantinha gentil.

  • Nossa, que surpresa. – A soberana de New Rann falou – O que você está fazendo aqui, Helena?

  • Olá, Lena. – Anakin a saudou, com seu jeito casual.

  • Majestade, é uma prazer vê-la novamente. – Katarn falou, curvando-se.

Helena acenou com a cabeça para seu cunhado e o Campeão do Olimpo, e falou:

  • É bom ver todos vocês. – Ela respondeu.

  • Bem, e quanto ao que você está fazendo aqui? – Padmé insistiu.

  • Pad!! – Feh falou, surpresa com a insistência da caçula.

A Imperatriz respirou fundo, tentando imaginar uma resposta que fosse satisfatória, mas o seu esforço cessou assim que ela viu Warlock se aproximando, com Starman #Vynn Gavyn Kallor; Rannian-Zodian – Príncipe Regente de New Rann; Estrela Viva; Controle de Gravidade, Geração de Calor, Metamorfo, Intelecto Nível 12; estendendo a lua-de-mel# ao lado dele.

  • Ela está aqui à meu convite, Senadora. – O Executor Imperial falou, de forma pouca diplomática.

  • Olha só quem eu encontrei… – O Homem-Estrela comentou, com uma expressão entretida.

Vynn Gavyin se aproximou da super-heroína loira, abraçando-a pela cintura, e beijando-a no rosto. Ele fitou Amidala, que ainda não estava completamente acostumada à ver o homem que um dia compartilhou a essência do seu Executor, e que era praticamente a versão humana do Chiss:

  • Olá, Helena. – O Príncipe Rannian a saudou, tratando-a com casualidade, para a irritação do Chiss

  • Olá, Vynn… Gavyn – Amidala falou, e acrescentou, sabendo que o nome que os dois meio-Zodians compartilhavam ainda era motivo de atrito.

  • Eu não posso dizer que estou surpreso em lhe ver aqui – Gavyn comentou – Afinal de contas, meu bom gosto é compartilhado por meu “gêmeo”.

  • Você quer dizer, meu bom gosto que passou para você. – O Sith retrucou.

  • Se crer nisso lhe faz dormir melhor à noite… – O Homem-Estrela devolveu.

Feh, já conhecendo bem onde aquilo ia levar, advertiu:

  • Vynn… vocês dois… não comecem. – A Super-heroína falou, séria.

Warlock levantou as mãos defensivamente, e retraindo-se da discussão, e Gavyn sorriu de forma maliciosa, beijando o pescoço de sua consorte:

  • A única coisa que eu quero começar é a beijar esse pescoço lindo. – Ele falou, com malícia.

  • Vynn Gavyn Kallor, você é incorrigível! – Feh sorriu, nada imune aos charmes do Rannian.

O Chiss ignorou sua contraparte, e caminhou até Amidala, colocando-se defensivamente ao lado dela, um gesto que não passou desapercebido aos presentes.

  • Eu convidei Amidala para vir ao Mardi Gras comigo, Lady Vader. – O Executor informou – Eu busquei um local reservado onde ela pudesse repousar. Eu não imaginei que vocês todos estariam aqui, mas como Kallor falou, nossos gostos são semelhantes.

  • E você está em que cabine, Milorde? – Padmé perguntou – Só havia um bangalô desocupado nesse grupo, que eu me lembre.

  • E nós estamos ocupando essa cabine, Padmé – A Imperatriz interviu.

Amidala não estava com paciência para rodeios, e ela não pretendia alimentar o desejo de sua irmã caçula de ministrar um interrogatório. Em sua pose imperial impecável, ela declarou:

  • Warlock é eu decidimos tirar férias rápidas, e viemos aqui, nos instalamos no bangalô, e pretendemos relaxar e aproveitar a companhia um do outro. – Helena informou, de forma categórica – Mais alguma pergunta?

Feh e Pooja olharam para a prima caçula delas, torcendo para que ela não mordesse a isca que Helena havia lançado. A Imperatriz Galáctica não havia perguntado se sua irmãzinha tinha mais alguma pergunta… ela havia convidado Padmé à ser recipiente de um cala-boca de proporções galácticas. Feh havia visto Helena fazer isso com Batman, Superman e Wonder Woman, e a expressão de ansiedade no rosto da Princesa Amazona era um indicativo de que ela não queria reviver a experiência.

Padmé, sabiamente ficou calada, e Vader, sentindo a tensão no ar, desconversou:

  • Eu tenho uma pergunta, Lena… – O Sith falou – Vocês topam jantar com a gente?

  • Bem lembrado, Vader – Magnus falou, ajudando seu irmão Sith. Nós temos reservas num excelente restaurante.

Helena e Padmé mantiveram uma disputa silenciosa de olhares por mais alguns momentos, e as duas desviaram o olhar ao mesmo tempo, colocando a máscara política da cordialidade, com sorrisos educados para os presentes. Amidala olhou para o Executor, e perguntou casualmente:

  • O que você acha? – Helena perguntou – Jantar em grupo?

O Sith olhou de relance para os outros dois Lordes Negros da Força, sabendo que aquele seria um evento social que eles não conseguiriam evitar, e respondendo à Imperatriz, ele disse:

  • Por que não? – Warlock falou, retoricamente.

  • Por que não? – Ela repetiu, na mesma voz, secretamente irritada pelo Chiss deixar a batata quente para ela, e virando-se para os demais, ela disse – Jantar hoje à noite. Perfeito.

Ela sorriu de forma educada, e passando sua mão pelo braço de Warlock, Amidala falou:

  • Bem, nós acabamos de chegar de viagem, e nós precisamos descansar um pouco… Nós nos vemos mais tarde? – A Imperatriz perguntou, novamente, retoricamente.

  • Nos vemos mais tarde! – Anakin respondeu, mantendo o clima leve.

  • Bom descanso para vocês. – Pooja adicionou.

CONTINUA…

1 comentário

Arquivado em FW 1.0

Fan Wars Universe – AMILOCK (One Shot) Parte 1

Saudações, Damas e Cavalheiros.

Este é um Companion que eu escrevi, que faz parte do Universo de Fan Wars, mas não é parte da Sequência Oficial. Esta fiz faz parte do Universo-1 de FW, e se passa um ano depois do final da Guerra Civil Galáctica. Alguns personagens são novos, e outros estão bem mudados, mas não é preciso conhecer intimamente os personagens para entender a trama.

Boa leitura 🙂

 

#Holopedia Galáctica Loading……Information Matrix Online……Engine Search Ready#

 

#Playback Ready……Loading File FWU.1s-AW01#

 

FAN WARS UNIVERSE

 

One Shot – AMILOCK

 

#Ano 25041 da República Galáctica#

 

#1 Ano após à Batalha de Coruscant#

 

[Planeta Kernus– Cidadela de Adama – Manhã] #Kuat Examiner: Corellian Run – movimentação comercial no ano fiscal corrente: ¢ 4.5 milhões de TeraCréditos#

 

O céu nublado do verão Kernusiano e a brisa suave do oceano formavam a comitiva de boas vindas aos turistas e visitantes na capital do planeta, no terceiro dia do Mardi Gras de Solstício de Adama, um dos eventos mais populares do calendário galáctico. O festival desse ano trazia um significado a mais, sendo o primeiro evento do Calendário Galáctico Imperial após o final da guerra, e portanto, ganhando ares de celebração pela paz restaurada.

 

Nas ruas da orla, quiosques, estandes e droids vendiam de praticamente tudo para todos os gostos, e em vários pontos bandas ou holoplayback tocavam, atraindo a atenção dos foliões, além dos artistas de rua, que faziam de tudo, desde malabarismos a teatros ao ao livre, para o entretenimento dos presentes. Foliões fantasiados transitavam no calçadão, e os banhistas tomavam conta das praias, como era de se esperar em um feriado quente de verão.

 

Em meio as massas, Imperatriz Amidala #Helena Amidala Naberrie; Naboan – Imperatriz Galáctica; Política Lendária, detentora do Anel Esmeralda; tentando relaxar e não dar bandeira#, Imperatriz Galáctica, seguia seu Executor Imperial, Darth Warlock #Vynn Nuruodo Dox; Chiss-Zodian – Executor Imperial; Mestre Lendário da Força, Tenebrosidade, Intelecto Nivel 12; despreocupado#, que transitava casualmente entre a plebe local. Amidala havia se oposto inicialmente à ideia de sair sem utilizar nenhum tipo de disfarce ou dispositivo de camuflagem, achando que era muito arriscado, e até mesmo o manto encapuzado que ela estava usando havia sido motivo de argumentação com o Sith. Foi preciso alguns minutos de argumentação para que ela aceitasse vestir um de seus vestidos reais, ainda que fosse um bem mais prático, diário, leve e menos espalhafatoso, sob a condição dele não utilizar o traje de gala da Cavalaria e sim os robes Zodians que ele estava trajando. Foi somente após os dois saírem que ela descobriu, com certa surpresa, que o visual deles não era mais “único”, ela ficou menos despreocupada, mas não completamente convencida.

 

·         Você quer fazer o favor de relaxar, Amidala? – Warlock perguntou, sarcástico – Eu já lhe disse que ninguém vai nos reconhecer.

·         Eu ainda preferiria ter um holocloack comigo. – A Naboan respondeu – E aqui, você me chama de Lenna, lembra? Já pensou se alguém ouve você?

·         Se alguém me ouve, vai pensar simplesmente que eu sou mais um das dúzias de cosplays da Imperatriz Amidala e de Darth Warlock que estão perambulando por aqui. – O Zodian retrucou – Ou você estava tão tomada de pânico quando aquele “Warlock” gritou por seu nome para notar as outras cinco “Amidalas” que responderam de volta à ele?

 

Helena olhou para o sorriso cafajeste no rosto do seu Executor, e falou:

 

·         Você tem sempre, que ter razão, não é, Warlock? – Ela perguntou, mal-satisfeita

·         Uma das muitas vantagens em se ter um intelecto nível 12. – Ele respondeu, esnobando.

 

A Imperatriz levou as mãos à cintura, ao que o Sith virou-se para ela, com os braços cruzados no peito,e o mesmo sorriso cafajeste no rosto. A sobrancelha arqueada no rosto da Naboan e o olhar dela era claros sinais de que ela não compartilhava da opinião dele, não que o Sith ligasse muito para esse detalhe. Ele descruzou os braços, e tomou uma das mãos dela na sua, ao que ele voltou a caminhar.

 

·         Por mais que eu adoraria passar o resto do dia apreciando sua beleza, nós dois ainda precisamos tomar o café da manhã antes de nos instalarmos no bangalô. – Warlock falou.

·         Eu pensei que nós íamos tomar café no hotel.– Amidala retrucou.

·         Mudei de ideia – Ele respondeu – Além do que, com tantas barraquinhas ao nosso redor, eu tenho certeza que nós podemos encontrar algo bom pra comer.

 

Ela não fez mais nenhum comentário, seguindo ao lado de seu acompanhante. Ela olhou ao redor, sentindo os diferentes aromas das comidas que eram servidas nos quiosques, e os nomes nos menus expostos nas placas publicitárias. Helena sempre havia se considerado uma mulher cosmopolita, e de bom gourmet, e isso podia ser constatado ao que ela pôde identificar boa parte das comidas que estavam sendo vendidas por ali, e mais ainda, o fato de que a maioria delas eram comidas típicas de diversos planetas da galáxia.

 

·         Hummm… eu não sabia que eles faziam um festival culinário durante Mardi Gras – A Naboan Comentou.

·         Não é parte do calendário oficial, mas já e uma tradição local – O Zodian explicou – Além do que, é uma oportunidade para a comunidade imigrante trazer a culinária deles para o público em geral.

·         De fato… nós temos algo semelhante em Theed também, durante a primavera. – Ela falou. – Mas nada tão grande quanto isso aqui.

·         Kernus é um dos principais pontos comerciais da Zona de Expansão, e está ao longa da Corellian Run.– Ele expôs – O Clima agradável e a localização cartográfica fizeram a diferença.

·         Obrigada pela explicação, “Mister Holopédia” – A Imperatriz agradeceu, usando o apelido que Val Pellaeon tinha dado ao Sith.

 

Ele a respondeu ao apelido não-grato com uma cara de desagrado que era levemente cômica, e a Imperatriz deu uma risada discreta. Ela soltou a mão dele, passando o seu braço no dele, como um casal mais propriamente dito, o que não desagradou ao Sith. Os dois continuaram a caminhar, quando um grupo de turistas, que estava tirando fotos, os parou:

 

·         As fantasias de vocês estão ótimas. – um deles falou – Vocês se importam de tirar uma foto conosco?

 

Helena olhou incrédula para o Sith, que simplesmente falou:

 

·         Claro que não – Ele falou, solícito, e virando-se para ela, ele falou – Minha Imperatriz, você quer fazer as honras?

 

Amidala olhou para Warlock, não crendo que ele falou com ela daquela maneira na frente de estranhos, mas para surpresa dela, outra turista falou:

 

·         Ai, que fofo! – A turista falou – Ele falou igualzinho como Lorde Warlock fala com Sua Majestade.

 

A Imperatriz não pôde deixar de pensar na ironia das palavras da moça, ao que ela tomou posição no meio do grupo junto ao Executor. O droidcam bateu a foto, e um dos turistas sugeriu mais uma foto, desta vez só do casal. Helena era acostumada com sessões de fotos, tendo participado de inúmeras delas durante sua carreira, mas aquela experiência era diferente… Ela estava fazendo papel de uma outra pessoa personificando à ela mesma…

 

·         A Imperatriz está beijando o Executor! – Alguém exclamou, quase fazendo Helena pular de susto.

 

De imediato todos olharam para outro ponto no calçadão, onde outro casal de cosplayers vestidos de Amidala e Warlock estavam posando para fotos, e naquele momento, beijando para a foto, momento que foi aproveitado pela dezenas de câmeras cujos flashes puderam ser notados.

 

·         Nossa, imagina os dois de verdade fazendo isso, héim? – alguém comentou ao lado deles.

·         Ah, mas quando, e se eles ficam juntos, é longe das câmeras. – outra pessoa comentou – Todo mundo sabe como os dois são reservados.

 

Amidala sorriu uma vez mais com a ironia da situação, e o mesmo turista que havia pedido pelas fotos antes, sugeriu:

 

·         Por que vocês dois não beijam para uma foto também? – Ele perguntou – Vocês dois são um casal bem mais bonito que os dois ali.

 

De fato, o “Warlock” e “Amidala” que estavam posando para fotos, ainda que vestidos impecavelmente, ele com a armadura negra e ela com o vestido e robes que a Imperatriz usou na primeira seção do Parlamento Galáctico após o fim da guerra, não eram fisicamente semelhantes aos verdadeiros, a moça sendo na verdade pouco mais alta que o rapaz. O Sith olhou para Helena, com uma expressão inquisitiva no rosto, e ela olhou para ele, sabendo de imediato que ele estava deixando para ela a decisão de posar para a foto ou não. Ele podia ser manipulador e dar um jeito de ter as coisas as suas maneiras na maior parte do tempo, mas ele também sabia quando pedir consentimento.

 

·         Bem, por que não?– Ela falou, após alguns segundos, com um sorriso político.

·         Beleza! – Alguém falou, e logo outra droidcam apareceu.

 

Quando a Imperatriz se deu conta, meia duzia de câmeras estavam apontadas para os dois, e ela ficou grata por não corar fácil, ou já tinha ficado parecida com um Mon Calamari. Uma rodinha se abriu ao redor deles, e ela virou-se para o Zodian, que para a surpresa dela, se prostrou num dos joelhos, ainda segurando a mão dela, e falou:

 

·         Bem, antes de beijar a Imperatriz, o Executor tem que pedir permissão, não é? – Warlock perguntou, gerando risos na plateia.

·         Ótima ideia. – alguém concordou.

 

Amidala olhou para baixo, e com seu nariz empinado, ela falou:

 

·         Bem, a Imperatriz pode ou não dar permissão ao seu Executor – Ela falou, fazendo charme – Ela tem de ponderar.

·         Dá duro nele, Amidala! – Alguém brincou no meio da plateia.

 

Flashes de câmeras surgiram ao redor dos dois, e mais poses, ao que ele levantou-se, e levou uma mão a cintura dela, que virou o rosto, com uma expressão entediada. A verdade é que o absurdo da situação absurda e as poses dramáticas estavam dando a chance à Helena de se divertir como ela tinha poucas chances de fazer normalmente, fazendo ridículo da pompa e circunstância da vida que eles levavam, que parecia tão irracional e fútil do ponto de vista das pessoas normais. Mais flashes, e mais uma pose, ao que ela fez uma expressão séria e irritada frente ao sorriso cínico e canalha do Sith. Entre poses, ele cochichou para que somente ela escutasse:

 

·         Você está adorando isso, não está? – Warlock a perguntou

·         Talvez. – Ela respondeu, de forma enigmática.

 

Ele chegou mais perto, puxando-a para si, colando seu corpo no dela, e com seus rostos meros centímetros um do outros, eles trocaram olhares sérios, em meio aos flashes:

 

·         Eu vou lhe beijar agora. – Ele disse em voz baixa.

·         Por que avisar? – Ela perguntou, num sussurro pausado.

 

Ela alternou seu olhar entre o rubi fantasmagórico daqueles olhos e os lábios dele, em antecipação, já nem mais lembrado da plateia ao redor deles, e suspirou ao notar o rosto dele curvar-se um pouco, no ensaio de uma finalização. Ela notou os olhos dele se movendo, e sabia que ele a estava fitando com a mesma expectativa, ao que a respiração quente dele fez contato com a pele sedosa dela:

 

·         Por educação… – Ele respondeu, antes de vencer a minúscula distância que os separava.

 

Expressões maliciosas de aprovação, aplausos e outros gestos foram gerados pelos presentes que testemunharam ao que os lábios do Zodian tocaram os lábios da Naboan, mas nem a Imperatriz nem o Executor tomaram ciência deles, estando os dois imersos no ato íntimo. Eles começaram de forma madura, sem pressa, com beijos de contato, breves, com os olhos entreabertos. Logo, o contato se intensificou, ao que as sensações se multiplicaram, e o casal se permitiu fechar os olhos, as mãos dela movendo do peito dele até o pescoço, seus dedos entrelaçando-se na nuca do Sith. As mãos dele na cintura dela a puxaram um centímetro mais próxima do corpo dele, uma delas subindo pelas costas, segurando-a de forma firme ao que ele inclinou seu corpo contra o dela.

 

Como um casal de bailarinos tomando posição ao final de uma performance, Amidala se deixou ser inclinada, segurando firme no pescoço do Executor, que a segurou com cuidado pela cintura e pelas costas, e os dois confundiram o brilho dos flashes com a miríade de sensações que eles estavam experimentando naquele momento, e no epílogo daquele momento de intimidade, muito a contragosto, ela sentiu os lábios do Zodian cometerem o sacrilégio de deixarem seus lábios… Warlock manteve sua Imperatriz ainda inclinada em seus braços quando ela abriu os olhos e o fitou, sob palmas e ovações.

 

·         Uau… Isso foi fantástico!!! – O dono da câmera original falou

·         O beijo mais incrível que eu já vi. – Outra pessoa falou.

 

O Casal “Amidala & Warlock” que estavam se beijando antes, estavam agora na plateia, aplaudindo, e “Amidala” falou:

 

·         Nossa, que demais! – A Cosplayer falou – Vocês realmente mostraram como se faz!

 

O Sith a colocou ereta novamente, mas ela manteve-se abraçada à ele ao que ela sentiu pudores com a ovação generalizada. Amidala estava acostumada a ser ovacionada por grandes discursos e feitos monumentais; ser ovacionada por ter sido beijada era algo incomum…

 

·         Obrigada, mas vocês fizeram bem também – A Imperatriz respondeu.

·         Eu e meu gatinho fizemos poses, mas vocês dois tem algo…sei lá, uma química toda especial… – A Cosplayer falou. – Ah, quem dera se a Imperatriz e Lorde Warlock fossem assim que nem vocês…

 

Amidala não estava gostando daquela atenção toda, e trocou olhares com o Sith, que, notando o receio dela, e interveio:

 

·         Bem, é melhor nós seguirmos, minha Adorada. – O Zodian falou – Nós ainda temos muito a fazer antes de nos instalarmos.

·         É verdade, querido. – A Naboan respondeu, aliviada pela saída rápida proposta por Warlock – Eu sinto muito, gente, mas nós temos de encerrar essa seção de fotos por agora.

 

Alguns rostos pareceram decepcionados, mas estes rapidamente buscaram outras atrações no meio da multidão. A Imperatriz e o Executor permaneceram ainda na companhia dos cosplayers e do fotógrafo original, que falou:

 

·         Eu vou postar essa foto no mural do festival, vai que eles sorteiam para algum prêmio. – O turista falou

·         Bem, e nós temos de ir – o “Warlock” falou – Foi um prazer conhecer vocês.

·         Igualmente. – Amidala respondeu, educada.

 

 

  

CONTINUA…

1 comentário

Arquivado em FW 1.0

FAN WARS – Errata

Eu tive de dividir o ATO I em duas partes por causa do tamanho.

Tentarei lembrar dessa limitação no futuro.

O Autor.

2 Comentários

Arquivado em FW 1.0, T.B.D.