Fan Wars Universe – AMILOCK – Parte 3 (Final)

….CONTINUANDO

 

A Imperatriz e seu Executor se despediram de todos, Ela sempre com a mesma façada graciosa e amigável, mas sem se demorar mais que o necessário. Já afastado dos demais, a façada amistosa se desfez e o Chiss pôde constatar que de fato ela estava descontente em encontrar os outros. Ele também estava contrariado, ainda que para o Sith, ter sua irritante contraparte e os outros era simplesmente um contratempo que ele podia lidar, mas Amidala aparentemente estava levando a coisa mais a sério. Foi preciso mais uma garrafa de Vinho de Rosas, algumas palavras bem colocadas, uma massagem nos pés, morangos com calda de chocolate e mas definitivamente, fazer amor na brisa suave da manhã para mudar o humor da Naboan.

Agora, na cama de lençóis alviverdes, Helena Amidala, ex-rainha de seu povo durante a maior crise da história de Naboo, inspiração para toda uma geração de servidores públicos, soberana do primeiro Império Galáctico em mais de 5.000 anos, a Imperatriz Esmeralda detentora de um dos mais poderosos artefatos do universo, e indiscutivelmente a mulher mais poderosa da história da Galáxia estava agora cansada, contente e relaxada. Seu corpo desnudo, semi-coberto pelo lençol amarrotado, recostado confortavelmente no corpo do seu amante Zodian, contrastava com o espírito leve como uma pluma que ela tinha naquele momento. Ali, entretida, seus dedos passeando entre nos pelos abundantes do peito do seu Sith, Helena sorria livremente, com as coisas mais simples, como a sensação gostosa do dedos da mão do seu Executor subindo e descendo ao longo de sua coluna, da nuca até a linha do sutiã, sem pressa, como seda suave acariciando sua pele.

A brisa tropical que invadia o quarto lhe deixava preguiçosa, dengosa, e ela se esticou um pouco,se espreguiçando, só para escalar um pouco mais o corpo do seu Sith, repousando sua cabeça no peito dele. Uma mão cheia de cuidado afastou as mechas que encobriram o rosto da Naboan, colocando-as para trás da orelha, e retornou para as costas dela, subindo e descendo ao longo da coluna. Helena sorriu novamente, contente em ser tratada de forma tão preciosa.

  • Vynn… – Ela falou, num tom feminino.

  • Sim, Amidala? – Ele respondeu, num tom brando.

A Naboan, se olhar para ele, ainda com a cabeça repousada no peito do Zodian, perguntou:

  • Por que você não me chama por meu nome? – Ela perguntou.

  • Você se chama Amidala, não é? – Ele respondeu com uma pergunta.

  • Eu me chamo Helena, Vynn. – Ela respondeu contrariada com a tentativa de desconversar dele – Amidala é um título real, assim como Darth Warlock é um título Sith. Mas você sabe muito bem o que eu perguntei.

Ela levantou a cabeça , virando-se, seu corpo deitando por cima do dele ao que ela o encarou de frente:

  • Por que você nunca me chama pelo meu nome, nem quando eu estou na sua cama? – A Naboan perguntou.

Ela notou os olhos fantasmagóricos lhe fitando ao que ele ficou em silêncio. Ela o conhecia o suficiente para saber que ele não estava se recusando à lhe responder. Seu Zodian estava buscando as palavras certas, e por isso, ela esperou pacientemente. Após quase um minuto de silêncio, ele falou:

  • Eu lhe chamo por seu nome Real para manter a perspectiva entre nós clara. – O Zodian falou.

Helena sabia que havia mais a ser explicado, e por isso ela não falou nada, esperando que ele continuasse:

  • Você é minha Imperatriz, a quem eu fiz um voto de lealdade e servitude. – Ele começou. – Você é o alfa de nós dois, não eu. E se alguém está na cama de alguém, sou eu que estou na sua cama, todas as vezes, por que você assim deseja e me permite.

A Naboan continuou a fitar seu Sith, ponderando as palavras dele:

  • Lhe tratar por seu nome é entrar em um território perigoso; é criar uma intimidade que pode nublar o principio básico do status quo entre nós dois – Warlock falou – Eu sou seu Executor, e você é minha Imperatriz. Por mais privilegiado que eu seja, este princípio fundamental não muda. Eu não sou seu igual, não sou seu consorte, eu sou seu concubino, seu servo.

As palavras do Sith ressoavam fundo na mente de Amidala, e ela sabia muito bem em que ele estava baseando seu raciocínio. Era brutalmente claro para a Imperatriz, a maneira como Warlock abriu mão da sua esfera de poder e influência entre Coluans, Chiss, Zodians e Hutts, quatro governos fortes que formaram uma aliança sob a liderança do Sith, e que constituíam a maior força da Galaxia. Mas ele entregou à ela, Amidala, estas quatro civilizações de mão beijada, solidificando a Imperatriz Coruscanti como a primeira soberana galáctica em milênios.

Ele também se isolou, das pessoas que lhes eram mais importantes; sua prima, Feh, a mulher que ele amava; Carolyna, a cúmplice que a quem ele chamava de alma-gêmea; Josefa, a tutora a quem ele admirava; Ellen, a pupila a qual ele moldou numa líder; Winter e Isaak, os únicos laços de sua vida Zodian; Jimmy e Chloe, a única família que ele conheceu… Warlock estava efetivamente afastado da Cavalaria, e mesmo entre a Ordem Sith, ele se mantinha aparte, deixando à cargo de Anakin e Viktor tudo que dizia respeito aos Lordes Negros da Força.. Para todos os efeitos, o Zodian se limitado e restringido à ser o Executor Imperial, um título cuja autoridade estava ligada diretamente ao Trono.

Seu Executor havia aberto o jogo com ela após a guerra. Ele à havia revelado todas a teia de intriga, mentiras e manipulação que resultaram na ascensão dela ao Trono Galáctico, e todas as atrocidades que ele cometeu em nome desse objetivo. Ela já havia deduzido boa parte do que ele contou antes mesmo do final da guerra. Amidala havia ligado os pontos ao longo do caminho, as prisões arbitrárias, os assassinatos, os atentados. Ela não o repreendeu, não o julgou, assim como ele não há havia repreendido nem a havia julgado quando ela mesmo havia feito tudo isso com ela mesma, em outra vida, lá em Naboo…

Havia vezes em que ela olhava para o Sith e podia se lembrar daquele jovem Zodian, tímido e inocente que um dia decidiu guardar segredo sobre o affair secreto da Rainha de Naboo. Amidala foi uma testemunha privilegiada, talvez a mais privilegiada de todas, na vida do homem que a galaxia conhecia como Darth Warlock, e ela sabia que a essência daquele jovem ainda brilhava firme por trás daqueles olhos fantasmagóricos. Ele havia simplesmente decidido tentar fazer seu melhor com a vida desafortunada que lhe foi dada, sem arrependimentos nem desculpas, e ao final, quando ele podia ser muito mais ainda, ele abriu mão de tudo…. ele abriu mão por ela. A Imperatriz decidiu que o status quo não era do seu agrado:

  • Você não é meu servo, Vynn, você é meu aliado, meu maior e mais importante aliado. Meu parceiro, meu confidente, meu cúmplice. – Amidala declarou – Este Império existe tanto por sua causa quanto por minha causa, por que você fincou os alicerces que sustentam o trono que eu ocupo. Nós dois construímos o Império juntos.

Ela ergueu-se, sentando em cima da barriga dele, e segurando na cabeceira da cama, ao que ela continuou:

  • Você não é meu concubino, você é meu amante. Você é mais que meu consorte, você é o homem com que eu compartilho o que há de mais íntimo em mim, o homem a quem eu confio minha vida. – A Imperatriz falou, e curvando-se, ela aproximou o rosto dele sussurrando no ouvido dele- E você é também o homem cujo nome eu falo quando meu corpo explode em êxtase, o dono dos braços que eu busco para me envolver quando eu quero esquecer do mundo…

  • Amidala… – Ele murmurou em retorno, ao que ela ergueu-se,fitando-o nos olhos.

  • E o mínimo que você pode fazer… (beijando-o no rosto) quando eu estou em sua cama…(mais um beijo no rosto) em seus braços.. (uma bitoca nos lábios)… depois de ter feito amor comigo…(outro beijo no rosto)…e ter me ouvido chamar seu nome entre meus gemidos de gozo, é me chamar pelo meu nome. – Amidala falou…

Warlock encarou a Imperatriz em silêncio, ela com uma expressão maliciosa no rosto, e ele levou uma mão a cintura dela, e outra ao rosto da Naboan, acariciando-a. Ela tomou a mão dele em seu rosto com a sua, e a trouxe até seus lábios, beijando a mão de seu Zodian, enquanto o olhava com malícia e expectativa.

  • Helena. – Vynn Dox a chamou…

A Imperatriz abriu um sorriso satisfeito e falou:l

  • Não foi tão difícil assim, tá vendo? – Ela brincou

  • Eu vi. – Ele respondeu. – Perdão por não ter usado seu nome antes.

Amidala levou um dedo aos lábios dele, silenciando-o, e falou:

  • Sem desculpas… – Ela declarou – Você quer se desculpar, me chame por meu nome.

  • Como queira… Helena – O Sith falou, dando ênfase ao nome dela.

  • Bom, você tá aprendendo… – Ela respondeu satisfeita.

  • Helena, Helena… – O Zodian falou, puxando-a para o colchão..

  • Ahh!! – ela deu um gritinho ao se derrubada, e riu ao que Seu amante a atacou com beijos…

Uma vez mais, Helena Amidala estava contente, tendo seu corpo beijado por seu amante, e ouvindo seu nome ser sussurrado pelos lábios de Seu Sith. Ela sorriu satisfeita, puxando o rosto dele para junto dela, selando o momento com um beijo, longo e romântico.

FIM

Anúncios

1 comentário

Arquivado em FW 1.0

Uma resposta para “Fan Wars Universe – AMILOCK – Parte 3 (Final)

  1. Helena

    Vida Longa a Amilock! 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s