E-I;C-3;Ato II-d

 

Episódio I

Capítulo 3

[Ato II-d]

#Holopedia Galáctica Online…Search Engine Ready#

[quadragésimo quinto dia do reinado da Imperatriz Amidala]

#NewsTicker: 15 delegações deixam o Parlamento Galáctico em face da tensão entre Coruscant e Krypton#

[Coruscant #Capital do Império Kryptonian-Coruscanti – Mais densamente populoso planeta da galáxia#– Tarde]

[The Works]

Em meio ao zunido e sons de máquinas, Carol Isaard #Tatooinean Tusken; Forca-Sensitiva, Estrategista de Elite, Assassina de Elite# seguia furtivamente entre as sombras… já faziam 15 minutos que ela estava nos subníveis, rumo ao seu alvo, e ela havia encontrado medidas de segurança e monitoramento que não eram nem um pouco típicas de fábricas que não tinham nada a esconder. Ela se agachou perto de uma das colunas, usando sua grappling gun contra ela, e colocando o mecanismo em seu cinto. A Tusken desceu lentamente de cabeça para baixo, até se ter uma visão do nível inferior..

  • Bingo… – Carol sussurrou ao ver dois guardas, com armas pesadas, guardando uma passarela..

Sem pensar duas vezes, a assassina sacou sua MP-55, ajustando a arma para o modo manual, e usando um pé para se apoiar contra a parede, ela apontou, olhando pelo scope para os dois guardas… Eles estavam vestidos como mercenários, mas ela era experiente o suficiente para reconhecer que eles tinham treinamento militar.. ‘Alguém realmente não quer visitantes aqui’ Carol pensou. ‘Pior pra eles que eu gosto de ser penetra’ a Tusken pensou, com um sorriso frio…

Ela aguardou o momento certo, tendo a cabeça de um deles em sua mira, e esperou que o outro guarda virasse para o lado oposto, afim que ele não visse o clarão da arma. Assim que ela o viu se virar, Isaard apertou o gatilho. Um tiro, sem estampido, e o guarda caiu no chão, com um buraco do tamanho de uma bola na cabeça. De imediato o outro guarda se virou, e vendo se companheiro caído no chão, ele se agachou e buscou abrigo por trás de uma das placas de metal ao longo do corrimão. Carol olhou satisfeita, ao que ela tinha certeza de que ele tinha treinamento militar, mas não bom o suficiente para saber que ele havia deixado sua nuca parcialmente visível… um segundo tiro e um segundo corpo caiu no chão…

De imediato, ela destravou a grappling gun e desceu no nível. Soltando a linha de monofilamento e imediatamente correndo para checar os dois guardas mortos… não precisou mais que um segundo para reconhecer as marcas na base do pescoço que identificava soldados como membros da Aliança, mas isso não foi o que a preocupou. Foi o fato dela notar que eles tinha poucos cabelos, e tinham os olhos com uma estranha coloração esverdeada que a preocupava ‘Clones? Isso não é nada bom’ Carol pensou. Ela examinou o equipamento deles, pegando o holocomm e hackeando na frequência deles.

A sacerdotisa se aproximou da comporta, que tinha travas de seguranças, e sacando uma multi-ferramenta, desparafusou o painel. Os LED em seu visor se acionaram, dando a ela claridade para que ela pudesse ver, tirar um dos circuitos isolineares do lugar, colocando um circuito reserva em outro, e resetando o sistema para o código padrão que ela sabia de cor… a porta se abriu, e a Tusken passou por ela, rapidamente, antes que o intervalo de 10 segundos que ela havia ganho passassem.

Carol já entrou com seu MP-55 na mão, armado no modo semi-automático… ela caminhou sorrateiramente, mas rápido, cruzando o corredor até chegar numa bifurcação. Da última vez que ela esteve numa situação dessas, ela estava tragicamente desarmada, mas para sorte dela, ela tinha a companhia de Pateesa. Agora, ela estava numa missão oficial, e não iria ser pega de saia justa. O som de passos pelo corredor fez a Tusken se apressar e saltar como um gato, usando as paredes como degraus até chegar ao teto, onde ela se segurou com pés e mãos, oculta pela escuridão acima das lâmpadas que estavam penduradas por correntes…

Mais alguns segundos, e ela viu quatro soldados passarem embaixo dela, todos bem armados e todos com as mesmas características dos dois que ela matou. Furtivamente, Carol mudou o setting da arma para automático, e então saltou, caindo no chão de joelhos. O som do impacto fez os quatro se virarem, mas eles sequer puderam levantar as armas ao que ela, de joelhos, apontou e mirou sua MP-55 e fuzilou os quatro sem misericórdia. Agindo já por reflexo, a Tusken retirou o pente, colocando-o no alimentador automático em sua mochila e recebendo um outro cheio de volta, colocou-o na arma, destravando o sistema de segurança automático da arma que se travava toda vez que o pente era retirado…

Carol notou o som de passos apressados, e ela sem pensar se encostou na parede. Pelo reflexo parco de uma placa inoxidável ela viu um soldado correndo com a arma na mão. Isaard sacou da sua braçadeira uma lâmina, e a segurou de forma reversa em sua mão… ela ouviu atentamente os passos que se aproximavam e apertou bem a empunhadura da faca, assim que a ela notou a presença ao seu lado, de forma letal ela perfurou o pescoço do guarda com a faca ao mesmo tempo que sua mão segurava a mão dele que estava no gatilho da arma, para que ele não pudesse dispara-la… O golpe se provou letal, ao que ele não ofereceu mais que uns segundos de resistência, indo ao chão morto em menos de um minuto…

Ela o puxou para o corredor onde ela estava, o examinou e checou por equipamento. ‘ah-hah!’ Ela pensou ao encontrar um padd. De imediato ela checou o conteúdo, e muito satisfeita encontrou diagramas da instalação… ela abandonou o corpo, levando somente o padd, e tendo o diagrama, ela seguiu pelo corredor, evitando as câmeras, até chegar num dos acessos de manutenção. Ela sacou sua multi-ferramenta uma vez mais e abriu o painel. Com a experiência e confiança de quem fez isso centenas de vezes antes na vida, Isaard hackeou nas câmeras de segurança, ligando a linha a um padd, e conectando-o ao seu controle principal, que estava adaptada na braçadeira. Ela pegou um de seus detonadores termais, e o armou no node, ligando-o ao padd, mas mantendo-o fora de visão. Tendo acesso as câmeras, ela checou a recepção em seu controle, e fechou o painel que parecia nunca ter sido mexido.

Ela sabia que a janela de tempo que ela tinha não era muito, e rapidamente seguiu pelos corredores. Com o seu controle recebendo informação dos sistema de segurança, Carol estava sempre um passo adiante da segurança do local, e sem ter de se preocupar em matar seu caminho até seu alvo, ela manteve a contagem de corpos ao mínimo, enquanto armava mais cargas explosivas em pontos que causariam o maior dano possível. A Sacerdotisa engatinhou por uma das passarelas de serviço no alto do deck, observando dezenas de guardas, muito bem armados, passando por entre trabalhadores e robôs nas linhas de produção… ‘O que kriff…?!’ Ela pensou, percebendo que os robôs estavam montando um acelerador de partículas…

O som das sirenes e as luzes de emergência tocando tiraram ela de seus pensamentos, ao que ela viu os soldados todos movendo em diversas direções, prontos para o combate… Uma olhada no computador em sua braçadeira foi o suficiente para saber que eles haviam descoberto os corpos. Sem pensar duas vezes, ela deixou a passarela, segundos antes de um droidcam passar, fazendo a sondagem visual de toda a instalação, e se escondeu atrás de um dos enormes tubos suspensos no teto.

  • Droga, droga, droga… – Carol falou, irritada pela reação rápida dos soldados. Ela pegou o holocomm e falou – Isaard para Power Girl. Nós temos problemas…

Carol ouviu alguém gritar para os técnicos armarem o acelerador, e ela sabia que o tempo dela estava se esvaindo rápido. A Tusken olhou para o holocomm, que ainda estava tentando conectar através dos canais de serviço, e deixou outra mensagem automática:

  • Eles tem um acelerador pronto e armado aqui, eu vou tentar ganhar o máximo de tempo possível. – Isaard falou.

Ela programou o holocomm para mandar as duas mensagens, e o colocou num canto seguro. Sem pensar duas vezes, ela moveu de sua posição, buscando uma posição mais central… pegando em sua mochila mais quatro termais, ela armou todas as quatros, com uma contagem de sete segundos, e as jogou contra quatro cantos distintos onde os soldados estavam. Os soldados ouviram o som das granadas quicando no chão, mas nenhum deles teve tempo de reagir ao que quatro explosões simultâneas causaram caos e destruição no deck.

BOOOOOOOOMMMMMMMM

Com sua MP-55 na mão, em modo semi-automático, ela saltou, usando a Força para controlar sua velocidade de decida e sua trajetória… Ainda no ar, Carol disparou contra um esquadrão que estava vindo por um dos corredores, eliminando três deles antes de tocar o chão, caindo no chão, rolando e eliminando o quarto em sequência… Sem ter um segundo de folga, ela usou o rifle para bloquear uma vibrolâmina de um dos trabalhadores, que tentou empala-la. Usando a alça da arma, ela torceu a mão do inimigo, fazendo-o largar a arma e em seguida colocando-o para dormir com um chute lateral na cabeça.

  • Não deixem ela chegar perto do acelerador!! – O que parecia ser o líder gritou.

Sem pensar duas vezes, ela girou, se ajoelhando e mirando. O homem que havia gritado olhou em horror ao que o projétil deixou o cano da arma, atravessado o deck à 1200 m/s e atravessando a testa do infeliz, cujo corpo morto caiu como um tronco velho no chão… rapidamente ela girou, buscando abrigo por trás de um contêiner centésimos antes de feixes e balas voarem contra ela. Rapidamente ela retirou o pente, colocando-o no alimentador e recebendo outro cheio. Ela olhou rapidamente, contando seus inimigos… mais disparos vieram, e ela então correu para o outro lado do contêiner, pegando os soldados de surpresa e executando seis deles antes de buscar abrigo novamente, desta vez atrás de uma coluna…

Mais balas, e ela olhou ao redor, vendo o acelerador funcionando, o zunido cada vez maior e o brilho da energia sendo gerada na fusão cada vez mais intenso… ela sacou o seu segundo rifle, colocando as duas armas em modo semi-automático, e respirando fundo, ela confiou na Força e em seus instintos, saindo detrás da coluna no momento certo, disparando de forma suicida contra os guardas ao mesmo tempo que ela movia contra o Acelerador…. Capsulas vazias caiam no chão em seu rastro ao que ela abriu fogo sem parar, fuzilando uns poucos e causando confusão e medo entre os outros soldados, que buscaram proteção e atiravam a esmo na esperança de acertar um tiro nela…

As balas do rifle sniper acabaram no meio do caminho e ela largou a arma, segurando com as duas mãos a MP-55, causando mais mortes com menos disparos a esmo, e notando pelo canto do olho direito os técnicos pegando em armas para proteger o acelerador, ela tirou a mão esquerda da arma, sacando sua pistola e cruzando o braço, atirando com o canto de olho contra os técnicos, ao mesmo tempo que ela mantinha fogo cerrado contra os soldados…

Dois técnicos foram posto fora de combate antes das balas na MP-55 se acabarem, mas Carol já estava perto o suficiente para largar a arma… Fazendo exatamente isso, ela correu de fato contra os dois técnicos ainda de pé, com as duas mãos na pistola… ela fuzilou um deles com quatro tiros e deu dois tiros no outro técnico, que ainda assim não caiu… sem balas, e sem tempo para recarregar, ela saltou, usando a Força, agarrando o rifle que ele segurava, girando por cima dele, puxando a arma das mãos dele. Carol pousou por trás do técnico, e ainda usando a energia cinética acumulada, ela o chutou, fazendo-o voar alto, e virando-se, ela o fuzilou ainda no ar. Ao que o corpo morto do técnico caiu no chão, a Tusken acionou as cargas explosivas que ela tinha plantada…

Diversas explosões ocorreram, e os soldados que estavam tentando avançar por uma das passarelas explodiram em pedacinhos ao que a carga embaixo deles detonou…. outra carga explodiu uma coluna, que ruiu, bloqueando a saída de uma corredor, o que deu a Isaard os segundos necessários para que ela alcançasse os controles do acelerador, somente para ver o sinal de alerta e o brilho cegante que tomou o deck e que lhe davam a certeza que ela havia chegado tarde demais….

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em FW 1.0

4 Respostas para “E-I;C-3;Ato II-d

  1. Helena

    Missão Impossível mode ON!!!De prender a respiração essa parte!! :DMuito boa!!!

  2. Vinnie

    Isso foi o resultado de horas e horas jogando Killzone, Rainbow Six e Advanced Warfare….

  3. Srtª Lois - Feh

    Missão Impossível mode ON!!! [2]Não é? Muito legal Vynn, nunca li uma parte tão rápido! 🙂

  4. Adrielli

    Missão Impossível mode ON!!! [3]OMG!!! que luta!!.. Vini to sem fôlego imaginando isso !!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s