E-I; C-1; Ato VII-d

 

[Ato VII-d]

[5 horas antes do amanhecer – Coruscant – Senatorial Sector]

(Tamires x Allan)

Conforme o Cavaleiro Zodian tinha informado, Tamires Darklighter, Cavaleira Amazona Tatooinean, e seu parceiro Allan Al-Lugger, Cavaleiro das Trevas Axxillan encontraram os sequestradores e sua vitima num dos hangares do setor leste. Com o suporte da guarda local, os dois Cavaleiros impediram que a nave dos bandidos decolasse, e em pânico, os sequestradores deixaram a menina de lado, e correram cada um pro seu lado… os minutos depois não passaram de um exercício para a dupla dinâmica, que então atuaram de forma cinematográfica, na captura dos bandidos.

  • Ah, nada como um exercício ao final da noite… – Tamires declarou, enquanto saltava acrobaticamente de uma passarela para um dos terraços suspensos, utilizando seu laço..

  • Não perca seu foco – Allan falou, com sua seriedade usual, usando sua capa como gliders depois de cruzar o quarteirão com sua grappling gun.

A Amazona observou sua presa, que estava correndo desesperado no meio da multidão, e perguntou, ao usar o parapeito do terraço como trampolim para alcançar outro terraço mais acima:

  • Último da noite. Você quer ou eu pego? – Ela perguntou.

Ao que o infeliz bandido dobrou em uma viela vazia, Al-Lugger mudou sua trajetória, usando uma parede da viela como apoio, saltando longe com o uso da Força, arremessando um batrang modificado com uma rede contra sua presa. O pobre infeliz sequer teve chance ao que a rede o encobriu, de forma folgada, mas inquebrável. Darklighter pousou ao lado da vítima caída, e usando a Força, ergueu o criminoso até o alto, onde havia um poste de luz, e deixou o infeliz pendurado pela rede lá.

  • Trabalho em equipe… eu amo isso. – A Amazona falou.

  • Eu já sinalizei a guarda local. Eles vão passar aqui e coletar o lixo. – o Cavaleiro das Trevas falou.

  • Vamos sair daqui então? – Ela lhe perguntou, aproximando-se dele. – Está começando a chover.

Como ele fez inúmeras vezes no passado, ele a segurou pela cintura, estendendo sua grappling gun para o alto, tirando os dois cavaleiros daquela viela mal-iluminada… Allan pousou no parapeito da plataforma onde o speeder deles estava escondido. Ele soltou Tamires e guardou sua grappling gun no coldre. Um trovão soou nos céus, e os poucos pingos de chuva foram substituídos por chuva torrencial.

  • iihhh.. – Tamires exclamou, correndo na direção de um abrigo.

Allan correu atrás dela, também na direção do único abrigo visível, a sombra de uma pequena varanda, que mal cabia uma pessoa. A Amazona viu o Morcego passar por ela, com uma expressão amistosa no rosto, e ela, sem pensar duas vezes, puxou a capa dele, quase fazendo-o cair, e passou a frente dele.

  • Isso é trapaça! – Al-Lugger protestou

  • Vale tudo aqui, cavaleiro! – Darklighter respondeu, olhando para ele com um sorriso malicioso…

Allan deu um sorriso de canto da boca, e correu, alcançando Tamires uma vez mais, e agarrando-a pela cintura, a levantou do chão…

  • Eiii!! – A Tatooinean deu um gritinho, ao que ele a colocou imediatamente atrás dele – Isso não vale!

  • Vale tudo, você que disse. – o Axxillan respondeu.

  • Ah é? – Ela respondeu, puxando ele pelo braço..

Os dois continuaram nesta corrida, não mais para se abrigarem, por que a esta altura os dois já estavam encharcados, mas por pura brincadeira. O fato de ver Al-Lugger sorrindo já fazia aquilo valer a pena para Tamires, que sorriu de volta, feliz. Chegando perto da varanda, Allan, que ainda tinha a dianteira, se encostou na parede, e Darklighter imprensou o Axxillan contra a parede, ao que ela buscou abrigo também…

Os dois ainda estavam ofegantes da corrida, molhados, e colados um no outro… a dupla compartilhou um sorriso maroto, e Al-Lugger falou:

  • 3 x 1 com essa, Amazona. – Allan disse.

  • Nada disso! – Tamires protestou – Aquela corrida em Cato Neomidia não valeu!!

  • Claro que valeu – O Axxillan retrucou.

  • Valeu nada. – A Tatooinean deu a tréplica.

Os dois se encararam sérios por mais um momento, e a Cavaleira então pousou suas mãos nos braços de seu companheiro de armas, e recostou sua cabeça no peito dele. Instintivamente, o Axxillan levou uma mão a cintura dela, por baixo do manto, e com a outra mão, ele tocou as mechas negras dos cabelos dela. Tamires fechou os olhos e sorriu, satisfeita em sentir o toque suave de seu Cavaleiro das Trevas em seus cabelos. Ela sabia que aquele era um jogo perigoso, e que Allan amava Lady Bloom mas, por mais respeito que ela tivesse por Tay Bloom, ela sabia que a representante Imperial não entendia a personalidade complexa de seu parceiro, e nem era capaz de enxergar no fundo da alma dele, a sua verdadeira essência…

Allan Al-Lugger não era apenas um discípulo de Bruce Wayne, como os outros… ele conhecia dor e tragédia intimamente; a vida dele havia sido tirada dele sem que ele pudesse fazer nada… a história de Wayne se repetiu em Al-Lugger, e ainda que Allan tivesse tido mais suporte e acompanhamento do que Wayne tinha tido, ele desenvolveu o mesmo senso de justiça, o mesmo apreço pela vida humana, e a mesma determinação que tornaram seu mestre um dos heróis mais temidos e respeitados da galáxia. E Tay não entendia isso. Ele havia dado provas disso à Amazona horas antes naquele terraço, onde ela insinuou que Allan tinha colocado propositalmente em perigo as pessoas que ele jurou proteger… essa era toda a justificativa que a Tatooinean precisava para executar seu próximo ato…

O Cavaleiro das Trevas sentiu a sombra de algo incomodando a Tamires por um momento, mas antes que ele pudesse perguntar se havia algo errado com a Amazona, ela levantou sua cabeça, olhando diretamente nos olhos negros dele com os olhos cor de mel dela. Tamires era uma mulher bonita, Allan já sabia disso, mas naquele momento, naquela atmosfera, com as luzes vindas do horizonte, refletindo na pele morena molhada de chuva dela, com aqueles cativantes olhos, da cor do mais puro mel, ela estava enfeitiçante… A Tatooinean notou o olhar do seu Cavaleiro, e sem hesitação, ficou na ponta dos pés ganhando os centímetros a mais que ela precisava para alcançar seu alvo… até o último momento, os olhares dos dois não se desviaram um do outro, ele sério; ela, primeiro em expectativa, e depois, com um sorriso, até que seus lábios tocassem os lábios dele…

Inicialmente, ele não reagiu, mas ela insistiu, tirando as mãos dos braços dele, entrelaçando-as no pescoço do Axxillan, que finalmente reagiu, abrindo seus lábios, convidando à Amazona a continuar. Darklighter sorriu uma vez mais, no meio do beijo, e fechou os olhos, enquanto que os dele permaneceram semi-abertos. A língua atrevida da Amazona tocou a ponta dos dentes do Morcego ao que ele a puxou mais para cima… Ela tentou obedecer, mas não tinha onde se apoiar, e terminou levantando uma perna, movimento que não passou desapercebido pelo Axxillan, que levou sua mão da cintura à perna dela, erguendo-a ao longo de sua cintura…

Num movimento rápido, Al-Lugger girou com a Amazona, colocando-a contra a parede, ainda com uma mão na perna dela. Ela agarrou-se com mais força no pescoço dele, ao que jogou sua perna ao redor da cintura do Cavaleiro, que segurou as duas pernas com a mão, deixando-a levemente mais alta que ele… Os dois continuaram a se beijar daquela maneira, mas dada a diferença de altura agora, eventualmente ele deixou os lábios dela, partindo direto para o seu pescoço exposto…

Ela sentiu a boca dele lhe mordiscar e sugar a pele, e la não pôde se conter…

  • Aaaahhh…. ahh… – Tamires gemeu alto e sorriu.

Ouvir a voz de sua parceira de Cavalaria surtiu o efeito inverso do que a Amazona esperava, ao que ele parou de atacar o pescoço dela, enterrando seu rosto na malha do uniforme dela, e respirando ofegante… o sorriso de Darklighter não durou, ao que ela sentiu as mãos dele correrem das pernas dela para os quadris, e finalmente para a cintura, ao que ele a baixou…

  • Allan? – Ela o chamou… – o que foi?

Ele não a respondeu, retirando as mãos da cintura dela, e levando até os braços da Tatooinean, desvencilhando-se deles.

  • Allan, por favor, fale comigo… – Ela pediu.

Ele virou-se de costas para ela, e então falou, com sua voz pesada:

  • Você sabe que nós não podemos fazer isso, Tami. Por que você insiste? – Al-Lugger perguntou.

  • Por que você quer isso tanto quanto eu. – Tamires respondeu, decidindo jogar na cara dele uma verdade que ele não queria enxergar – Por que você me quer, tanto quanto eu quero você.

Allan virou-se para a Amazona, os dois agora notando que a chuva torrencial tinha passado, e falou:

  • Você sabe que eu estou comprometido com Tay. – Allan falou.

  • E você sabe que o mundo em que ela vive não é o mesmo que o nosso. – Tamires falou, levemente irritada dele ter trazido a tona uma vez mais a Representante Imperial – Pela Força, ela lhe acusou de ter colocado aqueles civis em perigo!

  • Ela não compreende o nosso modo de agir! – Allan foi rápido na sua defesa.

  • Exatamente! – Tamires concordou de cara – Ela não compreende a vida que eu e você levamos. Os desafios que ela enfrenta no dia a dia podem salvar ou condenar milhares de vidas que ela sequer tocou, A vidas que nós tocamos não são só números, e sim pessoas reais.

  • Nós já tivemos essa conversa antes, Tami, e eu não vou discutir isso com você novamente. – Al-Lugger falou.

Ela se aproximou dele uma vez mais, encostando-se nele, levando uma mão ao rosto do Axxillan, acariciando-o:

  • Eu não quero discutir, meu querido…– Ela falou, com um tom doce – Mas não me peça para negar o que eu sinto, assim como eu não lhe peço para você negar o que você sente, nem por mim, nem por ela.

Allan olhou ao que a Amazona se afastou dele, indo na direção do Speeder e decidiu, em face do que tinha acontecido naquele dia, deixar para ponderar sobre o futuro no dia seguinte. Tamires teve uma grata surpresa ao ver a mão enluvada do Axxillan lhe abrir a porta do veículo. Ela o beijou no rosto, e tomou seu assento, e o Cavaleiro das Trevas foi pelo outro lado para tomar o assento do piloto. Ela sorriu mais ainda ao que ela sentiu a mão dele sobre a sua ao que ele acionou os motores de propulsão, e ainda que ele não estivesse sorrindo (esperar que ele sorrisse duas vezes na mesma noite era demais), ela podia sentir contentamento no coração do Axxillan, o que fez o seu coração rejubilar de alegria.

Fim do Ato VII

FIM DO CAPÍTULO 1

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em FW 1.0

2 Respostas para “E-I; C-1; Ato VII-d

  1. Srtª Lois - Feh

    e um pouquinho de romance para encerrar a noite mais longa de todos eles! :)eu gostei desse casal!

  2. Isaaque

    ALLAN + TAMIRES = Ação & PaixãoGostei 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s